Um conteúdo Bússola

Valdeni Rodrigues: Como se preparar para a Indústria 4.0

A introdução de novas tecnologias nas práticas de negócios existentes pressupões uma série de desafios que precisam ser superados
Indústria 4.0 pode movimentar US$ 15 trilhões em 15 anos (chombosan/Getty Images)
Indústria 4.0 pode movimentar US$ 15 trilhões em 15 anos (chombosan/Getty Images)
V
Valdeni Rodrigues*Publicado em 07/10/2022 às 15:30.

De acordo com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a Indústria 4.0 tem um potencial de movimentar mais de US$ 15 trilhões nos próximos 15 anos. E no Brasil, segundo dados de 2018 da ABDI, apenas 2% das empresas que estão em território nacional investem nessa prática. Portanto, há muito campo a ser explorado. E o Brasil permanece no estágio inicial desse processo tecnológico.

Os mais recentes avanços e consolidações tecnológicas continuam a pressionar as empresas e principalmente a indústria a acelerar suas iniciativas nessa agenda que surgiu em 2011, durante a Feira de Hannover na Alemanha, e que ainda criou suas versões no mercado americano com o termo Smart Manufacturing e na China com o Made in China 2025, e todos tendo como fundação a evolução da conectividade e do poder de processamento de dados e informações.

Soluções tecnológicas ganharam um novo papel em torno deste conceito, tais como internet das coisas (IOT ou internet of things), big data/analytics, inteligência artificial, realidade aumentada e principalmente a computação na nuvem (cloud computing), todas soluções que podem fazer parte de um roadmap da Indústria 4.0 alinhado ao core business de cada empresa e seus desafios.

falando em inovação tecnológica que revoluciona a produção da indústria e busca alavancar a produtividade, enquanto reduz os custos de produção significativamente.

Mas como funciona a Indústria 4.0 na prática?

Ao final, evolução tecnológica gera mais evolução tecnológica, e isso aplicado no conceito da Indústria 4.0 diz respeito a redução nos custos de sensores e ao desenvolvimento de processadores mais potentes voltados para a geração e coleta dos dados, das máquinas ou coisas conectadas, permitindo a análise em tempo real e a tomada de decisões mais rapidamente dentro da linha de produção, por exemplo. Além disso, estes dados irão “ensinar” as máquinas a trabalhar melhor e onde teremos, então, o conceito de machine learning.

Toda essa agenda visa o aumento da produtividade, que segundo especialistas representa uma economia de R$ 73 bilhões ao ano na indústria nacional, e que pode ter início com soluções mais conhecidas como a automação industrial utilizando-se de robôs nas linhas de produção e sistemas integrados de gestão fabril (ERP).

Entre os maiores desafios para as empresas brasileiras estão os investimentos nessas novas tecnologias e que ainda exigem uma infraestrutura com novos equipamentos, alta conectividade, cibersegurança e, em especial, a qualificação adequada de funcionários – que precisam receber treinamento e se profissionalizaram a fim de arcar com as demandas das inovações que o setor exige.

Supondo que o Brasil invista e o cenário da Indústria 4.0 por aqui se torne realidade, quais seriam os reais benefícios?

A priori, toda empresa – e a indústria não é diferente disso– tem duas agendas importantes que direcionam os negócios, que são aumento de receitas e redução de custos, ambas podendo ser potencializadas com a implementação dessas novas tecnologias.

Em paralelo, o volume de informações que é gerado deve ser utilizado no suporte à decisão e combinadas com dados operacionais dos demais sistemas corporativos. As empresas passam a realizar diagnósticos detalhados e mais profundos sobre as medidas necessárias de gestão de negócios.

Mas é possível aplicar todas essas tecnologias para implementar a Indústria 4.0 em uma empresa?

A resposta é não.

De fato, cada empresa tem uma realidade quanto aos seus processos, infraestrutura e principalmente necessidades de automação, informação e segurança. Logo, estruturar corretamente um projeto com suas prioridades dentro da realidade da empresa é fundamental para investir e obter retorno sobre este investimento, do contrário gera apenas gastos e frustrações.

Por exemplo, a agenda de internet das coisas (IOT) requer uma infraestrutura adequada para a coleta, transmissão e integração dos dados gerados pelas máquinas e, desta forma, complementar repositórios de dados desenvolvidos corretamente para entregar informações que vão gerar insights visuais para análise. Assim, definir ações que reduzam os erros da fabricação, apontem pontos de melhorias, reduzam ciclos produtivos, economizando dinheiro e tempo.

Isso nos leva a pergunta final: como as empresas podem se preparar para a Indústria 4.0?

A introdução de novas tecnologias nas práticas de negócios existentes sempre traz alguns desafios que precisam ser superados, sendo que alguns dentre tantos que devemos superar, são cruciais, como por exemplo:

Integração com a infraestrutura existente

A proposta é evitar altos investimentos na substituição da sua estrutura de máquinas, rede, etc, com a implementação de sensores para a coleta dos dados a partir do parque instalado de máquinas. Então, partir para a integração com as bases de dados existentes para começar a analisar as primeiras informações sobre vibrações, consumo de energia e detalhes semelhantes, etc.

Treinamento dos funcionários

Toda nova tecnologia dentro de uma empresa, requer treinamento interno e todos terão que desenvolver novas habilidades para usar as novas tecnologias. Isso significa que a empresa deve considerar os custos de treinamento, o tempo que seus funcionários precisam para desenvolver novas habilidades e os custos de manutenção da operação.

Decidir que o esforço vale a pena

Avaliar a sua configuração atual e verificar se está funcionando bem o suficiente e que as novas tecnologias podem de fato trazer melhorias para sua produção. Se existirem dificuldades em entender a linguagem técnica e as soluções de software, volte ao início e valide com todo o seu time.

Embora ainda existam dúvidas quanto aos reais benefícios da agenda da Indústria 4.0, estas novas tecnologias mencionadas podem trazer um enorme impacto na satisfação do cliente final. Uma vez que as soluções são implementadas, você pode melhorar os prazos de entrega e aumentar a qualidade dos produtos de acordo com as necessidades do seu cliente.

Ao final, a agenda da Indústria 4.0 oferece benefícios a todos os envolvidos com o seu negócio, incluindo o cliente.

*Valdeni Rodrigues é CEO da TecToy Transire

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Leia também: