Um conteúdo Bússola

Se você não puder acreditar em qualquer coisa, acabará acreditando em nada

Perigo em dobro: deepfakes podem tanto fazer pessoas acreditaram no que não é real, como também se recusarem a acreditar no que é verdadeiro
 (Getty Images/Getty Images)
(Getty Images/Getty Images)
D
Diego Brasil*

Publicado em 20/03/2021 às 12:28.

Última atualização em 20/03/2021 às 12:37.

Semanas atrás, vídeos do ator Tom Cruise fazendo truques e contando piadas viralizaram.

O conteúdo foi rapidamente desacreditado, mas apenas depois de ser visto e compartilhado milhões de vezes.

Tudo não passava de uma brincadeira com a deepfake, técnica que usa inteligência artificial para criar montagens ultrarrealistas.

Mas e se não fosse?

Conforme a tecnologia nos permite brincar mais rápido e facilmente com a imagem de qualquer um, nos aproximamos perigosamente de viver uma constante parábola do Menino e o Lobo, onde o fake se torna mais real, e a realidade se torna questionável.

Esse, talvez, seja o real perigo de inovações como o deepfake: não só fazer com que pessoas acreditem no que não é real, mas fazer com que se recusem a acreditar na verdade.

Por enquanto, as informações digitais mais traiçoeiras continuam sendo as meias-verdades disparadas no grupo da família.

Mas precisamos estar preparados para um futuro no qual ver para crer não será, nem de longe, suficiente.

 

*Diego Brasil é redator da FSB Comunicação

 

Assine os Boletins da Bússola

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube