Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Quer saber tudo sobre o Clubhouse? Bússola Trends tem um paper exclusivo para você

Coluna semanal de Alexandre Loures e Flávio Castro traz as novidades de Comunicação e Marketing e os temas mais comentados nas redes

O brasileiro é conhecido como um dos povos com maior tendência a ser rápido adotante de novas tecnologias sociais. Somos “early adopters” seriais. Estamos sempre no ranking de maior tempo de navegação na web, temos os maiores influenciadores do Youtube. Fizemos a live musical com maior número de visualizações no Youtube: Marilia Mendonça com impressionantes 3,31 milhões de acessos simultâneos. Não seria diferente com o que acontece nas duas recentes semanas com o Clubhouse, o novo querido dos conectados.

A rede social baseada em aúdio não é tão nova. Foi criada no início de 2020, passou sem alardes por este quase primeiro ano da pandemia e ganhou notoriedade pela voz de Elon Musk, o homem da Tesla e da Space X. Musk entrou numa sala do app e começou um animado papo com Vlad Tenev, presidente-executivo do aplicativo de investimentos Robinhood.

Musk, entre outras coisas, mexeu não apenas com a popularidade do Clubhouse mas também com os nervos do mercado financeiro. Sua especialidade. Ele disse que o bitcoin estaria "prestes" a ser mais amplamente aceito entre os investidores, colocando um voto enorme de apoio à criptomoeda. Isso foi no dia 1º de fevereiro. E vale lembrar que hoje (09/02)  você pode ler nas manchetes da mídia que ele (a Tesla) acaba de comprar  US$ 1,5 bilhão da criptomoeda . E ela disparou 15%, chegando a US$ 44 mil. E Musk ainda disse que a empresa passará a aceitar bitcoin para compras de seus veículos. A conversa no Clubhouse foi então um teaser para mais um salto gigantesco dos negócios que Elon Musk pilota.

Mas voltando para o Clubhouse e o nosso primeiro parágrafo: os brasileiros invadiram o app. Para se ter uma ideia, as buscas no Brasil por “Clubhouse” cresceram 525% entre 30 de janeiro e 6 de fevereiro, na comparação com a semana anterior, e ultrapassou o TikTok no interesse de buscas no mês de fevereiro.

Muitas marcas já se perguntam o que dá para fazer. Já temos aí o exemplo do Elon Musk. E poderíamos lembrar também que Silvio Meira, cientista chefe da TDS Company, diz que as plataformas sociais sempre estarão nesse movimento de aparecer e sumir. Essa é a dinâmica das “social machines”. E, na verdade, não importa muito saber logo que uma delas aparece o que podemos fazer com ela ou não. O mais importante é que estaremos lá porque o principal está feito: estamos mais que habituados e treinados (por elas) com essa intensa socialização.

Então vale experimentar sim. E, para que o caminho do aprendizado fique mais curto, nosso time montou um paper bem bacana. Um guia que conta tudo o que é o Clubhouse, quem usa, como estar lá e como usufruir já agora dessa rede que aposta nas conversas. É como nos velhos (?) tempos quando falávamos por celular. Ou na mesa de bar. Só que agora com essa dimensão comunitária global e por voz. Clique aqui e baixe o paper!

*Sócios-diretores da FSB Comunicação

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também