Os CEOs devem olhar mais para a autoconsciência

Para fundador do Experience Club, a jornada empresarial não é sobre o CEO, mas sempre começa por ele

A jornada nunca é sobre o CEO, mas sempre começa por ele. Durante o caminho, o CEO é quem motiva, direciona, corrige a rota, bota ritmo e muda quando necessário. Esse líder mantém o time alinhado e em sintonia. Ele anda na frente de todos, às vezes, atrás e, de vez em quando, ao lado.

Ao dar uma boa olhada no espelho, logo ao acordar, o CEO pode refletir, avaliar e se comprometer com a melhoria contínua, sempre se perguntando “o que posso fazer – e ser – para mudar o mundo como desejo”.

Ser o líder de uma jornada empresarial requer olhar para a autoconsciência. Vale até repetir: não se trata do CEO mas começa com ele. Quem ele é enquanto pessoa e suas atitudes vão refletir modelos sobre o time.

O CEO deve entender que liderar uma equipe significa começar liderando a si próprio. Ele deve mensurar continuamente, sem exaltar demais suas fortalezes e nem subestimar suas fraquezas. Até porque autoconsciência e honestidade andam de mãos dadas. O time poderá alertar sobre as armadilhas, enquanto o CEO melhora a si próprio e, consequentemente, a companhia.

Uma boa tática é quando o CEO reúne a sua alta liderança e se coloca como o interlocutor para as questões mais sensíveis e os feedbacks mais duros. Um exercício cujo objetivo real é a demonstração de vulnerabilidade do CEO. Algo que une o time de forma inigualável.

O CEO quando demonstra vulnerabilidade e disposição a se olhar no espelho de forma transparente está preparado para liderar as novas companhias do futuro. As atitudes e ações do CEO cascateiam para toda a companhia, criando companheirismo. E a consistência é fundamental.

Um presente muito criativo, provocativo e eficiente para a alta liderança é um espelho pequeno de mesa. Ativa a capacidade dos executivos para aceitar feedbacks de uma forma mais humana.

O CEO sabe muito bem que as pessoas vão pressioná-lo muito e que vai faltar aquela liberdade quando não estava na cadeira. Até porque o CEO é a cara da companhia e os colaboradores vão passar a adivinhar o humor dele como verdadeiros videntes.

O que mais venho observando nessa jornada de mais de 15 anos ao lado de muitos dos CEOs mais emblemáticos do mercado brasileiro é uma característica em comum: a solidão.

O CEO precisa eleger um confidente que o ajude e o aconselhe. Geralmente, alguém que tenha trilhado caminhos semelhantes, que tenha passado por experiências parecidas, na alegria e na tristeza. Um conselheiro 24/7 que saiba o significado e o peso da cadeira que ele tem.

O maior desafio de todos é que o CEO deve assumir e incorporar a função de embaixador da companhia, defender o propósito e liderar o time. E mesmo com toda a abrangência e entrega dessa posição, o lugar não pertence a ele.

Nesse mundo digital, veloz e exponencial, os ciclos têm sido mais curtos. E enxergar o momento de encerrar o ciclo não significa o fim da companhia. A função requer ser a fonte da energia e da mudança para o crescimento dos números.

E para justificar o conceito de “estar CEO e não ser CEO”, a liderança é muito mais ligada a quem você é do que você faz.

 

* Ricardo Natale é fundador e CEO do Experience Club, plataforma de conhecimento e networking corporativo

 

Mais da Bússola:

Cultura sólida e os programas de compliance

Produzir e preservar: desenvolvimento sustentável é o futuro da Amazônia

3 perguntas sobre ESG para Stéphane Engelhard, do Carrefour

Siga Bússola nas redes:  Instagram  Linkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.