Bússola

Um conteúdo Bússola

Mauro Wainstock: Fez suas promessas para 2023? Por onde começar?

O desafio, na vida e nas empresas, está em transformar as palavras em concretizações,

Ninguém é líder postergando (Denis Novikov/Getty Images)

Ninguém é líder postergando (Denis Novikov/Getty Images)

B

Bússola

Publicado em 6 de fevereiro de 2023 às 17h15.

Iniciamos um novo ano e você, certamente, enumerou as promessas adiadas durante todo o ano passado, incluiu outras, detalhou tudo com precisão e, a partir de agora, vai, gradativamente, transferir uma por uma para 2024.

Concordo contigo: escrever é fácil; o desafio está em transformar as palavras em concretizações. Parafraseando o escritor alemão Dietrich Bonhoeffer, “a ação não surge do pensamento, mas de uma disposição para assumir responsabilidades”.

É exatamente isto! Muitas vezes nem sabemos por onde começar. E, na primeira dificuldade, desistimos, criamos uma desculpa e protelamos.

No mundo corporativo, este processo também é comum. Quando o receio de inovar é maior do que a vontade de realizar, a evolução fica cada vez mais distante.

Assumir responsabilidades não é criar intransponíveis barreiras, mas construir novas, saudáveis e perenes pontes.

Ninguém é líder postergando, mas agindo.

Ninguém é respeitado apenas quando fala, mas sim quando dá exemplos através de ações positivas.

Ninguém acerta sempre, mas todos devem aprender com as decisões e atitudes.

Quando o tema é diversidade etária, a questão é sempre a mesma: as empresas não sabem como começar. Isto é perfeitamente normal; trata-se de uma questão relativamente nova, já que a expectativa de vida no Brasil, que era de 45 anos na década de 40, chegou a 77 anos em 2021.

A convivência harmônica entre as gerações não é mais uma das várias terminologias da moda, daquelas vem e que passam, é um desafio premente: a partir de 2040, 57% da força de trabalho no Brasil terá mais do que 45 anos. Então não se trata de uma estratégia midiática apenas para engrandecer momentaneamente a reputação da marca, mas de ser genuíno. De inserir este tema como um valor urgente e indispensável para propiciar resultados sustentáveis para a empresa, benefícios incomensuráveis à sociedade e bem-estar real aos profissionais.

Minha sugestão é: dê o primeiro passo. Mas dê logo.

Antes de começar a planejar um programa inicial na direção deste movimento, engaje outras lideranças para os benefícios e a importância deste assunto.

Sensibilize, ouça, troque, construa junto.

Palestras são iniciativas muito utilizadas para ajudar neste processo, já que trazem outros pontos de vista, mobilizam, geram identificação e inspiram através de cases e personagens reais, além de demonstrar, através de estudos, que esta tendência é irreversível.

Procrastinar é se omitir.

Preterir é se conformar.

Como afirmou o pensador Hillel, “Se não eu por mim, quem por mim? Se eu for só por mim, quem sou eu? Se não for agora, quando?”

Como verdadeiro líder, você vai assumir esta responsabilidade?

A sua empresa vai agradecer; a sociedade vai aplaudir; você vai se orgulhar.

E você também poderá dizer que realizou uma das suas mais importantes metas em 2023.

Bora fazer acontecer!

*Mauro Wainstock é mentor de executivos, conselheiro de empresas, palestrante sobre diversidade etária e sócio-fundador do HUB 40+.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Investimentos em 2023: qual o melhor caminho?

O que os dados fazem pela sua empresa?

Farmacêuticos: setor de manipulação ainda tem muito potencial para expansão

Acompanhe tudo sobre:GestãoLiderançalongevidade

Mais de Bússola

Bússola Poder: o tribunal eleitoral do capitão

Open Finance é confiável? Cresce 33% número de brasileiros que aceitam compartilhar dados bancários

Saiba qual é o gasto de energia da geladeira mais econômica do mercado que acaba de ser lançada

Saiba em quais cidades é melhor contar com um carro alugado

Mais na Exame