Um conteúdo Bússola

Lello investe em startup que resgata bom inquilino sem renda comprovada

Com investimento de R$ 7 milhões, empresa espera movimentar mercado de aluguel, trazendo potenciais clientes como trabalhadores informais e estudantes
Aluguel: investimento visa aprimorar a identificação de bons pagadores (Boonchai wedmakawand/Getty Images)
Aluguel: investimento visa aprimorar a identificação de bons pagadores (Boonchai wedmakawand/Getty Images)
B
Bússola

Publicado em 30/06/2022 às 14:30.

Última atualização em 30/06/2022 às 14:43.

A Lello, um dos maiores grupos imobiliários do Brasil, acaba de fechar investimento na startup Alpop que se propõe a agilizar, flexibilizar, desburocratizar e democratizar a aprovação de candidatos a inquilinos em novos contratos de locação na capital paulista, Grande ABC, litoral e interior de São Paulo. O investimento de R$ 7 milhões foi realizado pelo Grupo Lello, Lucas Vargas, ex-Grupo ZAP e atual CEO da Nomad, Caju Capital Social e Smart Money Ventures.

A decisão do investimento, capitaneada diretamente por José Roberto de Toledo, sócio e superintendente do Grupo Lello, tem como objetivo aprimorar a identificação de bons pagadores de aluguel que, pelo modelo tradicional baseado em escore bancário e de crédito, têm dificuldades de comprovar renda. Esse público, formado majoritariamente por trabalhadores informais e estudantes, entre outros, é potencial cliente do mercado de locação residencial, mas acabava sendo barrado nas análises cadastrais para aprovação da proposta de aluguel.

Por meio do investimento na Alpop, a Lello enxergou uma maneira de expandir a captação de candidatos a inquilinos nas locações intermediadas pela empresa, beneficiando tanto quem procura uma casa ou apartamento para morar quanto reduzir o tempo de vacância dos imóveis ofertados pelos proprietários.

Do ponto de vista operacional, a startup fica responsável pela análise de risco dos candidatos a inquilinos, feita por meio de um algoritmo de avaliação financeira que usa 22 critérios alternativos, enquanto a Lello foca no seu core business.

Para Filipe Cassapo, diretor do LelloLab, laboratório de inovação da Lello, a ação possui "grande impacto social, de caráter inclusivo, proporcionando que mais brasileiros consigam ter um lar para viver por meio de contratos de aluguel formais". Em um teste, a Lello aplicou o serviço da Alpop em uma base de clientes que tiveram a locação negada. Sete em cada dez foram aprovados. A expectativa da empresa é conseguir repetir essa proporção no dia a dia do negócio.

“Acreditamos que essa soma de esforços, que une um grande e sólido grupo imobiliário fundado há 68 anos a uma startup inovadora e com propósitos sociais, já reconhecida e premiada, será altamente benéfica para proprietários de imóveis, os futuros inquilinos e a sociedade de forma mais ampla, aumentando o acesso à moradia com responsabilidade, nos mais diversos cenários sociais”, afirma Cassapo.

A Alpop, junto com 24 startups, participou do processo de aceleração promovido pelo Grupo Lello, tendo a possibilidade de aplicar suas soluções no ecossistema de operações da empresa e sendo a primeira acelerada a receber investimento direto do grupo.

Ele ressalta que o investimento realizado na Alpop integra a nova estratégia da Lello de construir um amplo ecossistema de soluções inovadoras e disruptivas para a vida em comum, atendendo às necessidades e desejos dos proprietários, inquilinos e moradores de condomínios. “Em tudo o que a Lello atua, ela o faz ouvindo o cliente permanentemente”, declara Filipe.

Apostando nessa nova parceria, que se soma a outras ferramentas já disponibilizadas pela Lello para a análise de candidatos a inquilinos, a imobiliária realizou um teste e conseguiu 70% de recuperação das propostas descartadas pelas ferramentas existentes, resultado que espera reproduzir no dia a dia regular dos negócios.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Empreendimento: como tornar uma planta atraente depois de cinco ou dez anos

Construção civil sustentável: como estamos em relação ao resto do mundo

Por que diversidade e inclusão são uma boa para os negócios