• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Como um ambiente saudável pode mudar a vivência de um trabalhador autista

Um ambiente corporativo saudável e acolhedor pode ser um aliado no desenvolvimento da carreira de um trabalhador diagnosticado com TEA
Respeito, compreensão e incentivo ao funcionário com autismo são pilares da convivência (Reprodução/Youtube)
Respeito, compreensão e incentivo ao funcionário com autismo são pilares da convivência (Reprodução/Youtube)
Por BússolaPublicado em 13/05/2022 16:20 | Última atualização em 13/05/2022 13:24Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Bússola 

Um ambiente corporativo saudável e acolhedor pode ser um aliado no desenvolvimento da carreira de um trabalhador diagnosticado com o transtorno do espectro autista (TEA). Dentro desse contexto, o líder representa um papel fundamental, porque o respeito, a compreensão e o incentivo ao funcionário com autismo são alguns pilares para que a vivência profissional seja positiva. 

Um exemplo disso é a história da desenvolvedora de inteligência artificial e big data Viviane Nonato, de 34 anos, autista, mãe solo de duas crianças, a Alice, de 8 anos, que também tem o espectro autista, e o Ítalo, de seis anos. Há um ano e seis meses trabalhando na Fintools, braço de transformação digital da Oliveira Trust (OT), plataforma financeira digital referência em soluções para administração de fundos e serviços fiduciários no Brasil, Viviane afirma que o ambiente familiar adotado pela companhia a fez crescer nos âmbitos profissional e pessoal. 

Ela também reforça que a empatia transformou sua relação com o trabalho, trazendo mais satisfação. “Eu nunca tive um setor de RH (recursos humanos) tão próximo, um chefe preocupado com o bem-estar de todos dentro da empresa. Isso está me fazendo crescer”. A trabalhadora ainda deixa uma reflexão: “Imagina se eu estivesse em um ambiente tóxico que não compreendesse as minhas limitações, por exemplo. É claro que os meus colegas também têm limitações, mas imagina se fosse um lugar que não tivesse essa parte humanizada”. 

Com a rotina intensa, dividida entre a função materna e o trabalho, Viviane relata a importância de uma empresa que entenda o seu dia a dia e que também incentive a sua evolução como profissional. “Sem a ajuda e a conscientização que o meu chefe faz, eu não conseguiria conciliar. Então, a OT, na parte de humanização e solidariedade, é muito especial na minha vida”, diz a desenvolvedora. 

 A trajetória 

Nascida e criada no Complexo de Manguinhos, na Zona Norte do Rio de Janeiro, ela começou a trabalhar cedo, fazendo açaí e hambúrguer. Depois, entrou em uma oficina de artes plásticas oferecida por um projeto social local e, ali, pôde colocar em prática a criatividade. Aos 15 anos, Viviane começou a dar aulas para adolescentes e crianças que viviam em Manguinhos. 

“Foi muito gratificante, porque trabalhei de forma a colaborar com a minha comunidade. Fizemos trabalhos de mobilização, criando pinturas, mas retratando o lado positivo das comunidades. Nós criávamos telas coloridas de casas e contavámos a nossa história, como surgiu o Complexo de Manguinhos”, diz, se sentindo orgulhosa do trabalho realizado na época. 

Mais velha, ela teve o seu primeiro contato com as áreas de design, tecnologia e pesquisa durante um projeto na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A oportunidade estimulou a vontade de se desenvolver no ramo de software. “A arte, a ciência e a tecnologia contribuíram para eu ser o que sou hoje. Isso resultou em um bom caminho. Se não fosse pelos profissionais que seguravam a minha mão, falando que eu posso, eu não estaria aqui agora”, afirma, concluindo sobre a influência que o apoio da equipe traz à vida de um autista no mercado de trabalho.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube  

 

Veja também 

 

Startup investe em inclusão para jovens de baixa renda e profissionais 45+ 

 

GESTÃO: Precisamos retomar o trabalho. Mas dá para voltar sem humanizar? 

 

Inclusão e equidade precisam sair do discurso e partir para a prática