Bússola
Um conteúdo Bússola

Como desenvolver inteligência emocional e evoluir como gestor?

A habilidade é cada vez mais exigida, se tornando tão importante quanto as hard skills

Inteligência emocional é a habilidade mais subestimada do mercado (pixabay/Economídia)

Inteligência emocional é a habilidade mais subestimada do mercado (pixabay/Economídia)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 28 de junho de 2023 às 23h30.

Por Marcelo de Sá*

O que vale mais? Ser expert em algo bastante específico ou ser uma pessoa com a qual é fácil se relacionar?

Não faz tanto tempo, o coeficiente de inteligência ou o número de cursos formais concluídos por um profissional eram os únicos diferenciais realmente levados em conta em ambientes corporativos. Mas isso mudou na medida em que os gestores passaram a ser responsáveis por liderar equipes multifuncionais, enfrentar pressões constantes e tomar decisões rápidas e informadas.

Por isso, a máxima de que normalmente o funcionário não pede demissão da empresa e sim do chefe parece ser cada vez mais verossímil. Ainda assim, a habilidade de reconhecer, compreender e gerenciar efetivamente as emoções  – tanto em si quanto nos outros – nem sempre é valorizada; pelo contrário, é subestimada.

A inteligência emocional transcende em muito os conhecimentos técnicos, colocando ênfase na compreensão dos sentimentos, na empatia e na capacidade de se adaptar às situações. Ela envolve habilidades como autoconsciência emocional, autorregulação emocional, empatia e habilidades sociais cruciais para construir relacionamentos interpessoais saudáveis, tomar decisões acertadas, lidar com o estresse e motivar equipes.

Mas até que ponto as habilidades emocionais são decisivas para o sucesso profissional ou uma liderança eficaz?

Daniel Goleman, jornalista norte-americano estudioso do comportamento humano, foi um dos primeiros a abordar o conceito que conhecemos hoje. Há mais de década, Goleman destacou a importância da inteligência emocional na liderança, dizendo à Harvard Business Review : “Os líderes mais eficazes são todos parecidos de uma maneira crucial: todos eles têm um alto grau do que veio a ser conhecido como inteligência emocional. Não é que QI e habilidades técnicas sejam irrelevantes. Eles importam, mas são os requisitos básicos para posições executivas”.

De lá pra cá, a inteligência emocional tem ganhado o status de competência crucial no mundo dos negócios e da liderança. À medida que as organizações enfrentam desafios complexos e buscam alcançar resultados excepcionais, os gestores precisam ir além das habilidades técnicas e desenvolver uma compreensão profunda das emoções – as suas e as dos outros.

Hoje, vemos empresas exaltando líderes com inteligência emocional que costumam oferecer respostas rápidas e eficientes a desafios, podendo fazer a diferença nos resultados do negócio. Além disso, essa habilidade tende a engajar o time a buscar soluções inovadoras e criativas para problemas complexos. Do contrário, a falta de inteligência emocional na gestão pode gerar muitos ruídos de comunicação e sentimentos mal resolvidos que resultam em descontentamento.

E é nesse contexto que a inteligência emocional surge como uma ferramenta poderosa para aprimorar a liderança, impulsionar a produtividade e melhorar os resultados do negócio.

Benefícios da inteligência emocional no ambiente profissional

A autoconsciência é uma das principais competências que compõem a inteligência emocional. Assim, ter essa habilidade é reconhecer como as emoções afetam o comportamento, principalmente em relação aos outros. Líderes que carecem de autoconsciência enfrentam alta rotatividade de liderados. De acordo com estudo realizado pela Universidade de Georgetown, o colaborador médio perde o compromisso com o trabalho devido à baixa inteligência emocional demonstrada por seus líderes.

Atualmente, diversas empresas reconhecem a importância dessa capacidade. Destaco dois casos em que se valorizou a inteligência emocional em seus gestores:

  • Google: reconhecido mundialmente por promover um ambiente de trabalho que incentiva a inteligência emocional, a empresa oferece programas de treinamento e desenvolvimento para seus gestores, com foco no autoconhecimento, na empatia e na comunicação eficaz.
  • Johnson & Johnson: a empresa enfatiza a inteligência emocional em sua cultura organizacional oferecendo treinamentos para gestores que visam o desenvolvimento de habilidades emocionais, como a empatia e a inteligência social.

Priorizar uma cultura que incentiva a inteligência emocional permite que gestores entendam quais caminhos os conectam às outras pessoas, maximizando experiências e potencializando resultados.

5 boas práticas para desenvolver a inteligência emocional

Desenvolver a inteligência emocional é um processo contínuo que requer prática e autoconsciência. A seguir enumero 5 dicas e estratégias que podem ajudar você no dia a dia como gestor:

  1. Exercite a autoconsciência: o primeiro passo para desenvolver a inteligência emocional é conhecer seus principais pontos fortes e fracos. Os gestores devem aprender a reconhecer suas próprias emoções, como elas afetam seu comportamento e como podem impactar decisões e interações com a equipe. Algumas estratégias para cultivar a autoconsciência podem começar pela prática da atenção plena e o autoquestionamento.
  2. Gerencie as emoções: uma vez que os gestores são capazes de reconhecer suas emoções, é importante aprender a gerenciá-las de forma adequada. Existem técnicas de autorregulação emocional, como a respiração consciente, a expressão saudável das emoções e o desenvolvimento de estratégias para lidar de forma mais saudável com o estresse e a pressão.
  3. Pratique a empatia: aprenda a compreender e responder às emoções dos outros de maneira adequada. Experimente estratégias, como a prática de ouvir ativamente, colocar-se no lugar dos outros e, enquanto líder, buscar entender as perspectivas e necessidades da equipe.
  4. Trabalhe em equipe: as habilidades sociais são essenciais para os gestores estabelecerem relacionamentos produtivos com suas equipes. Nesse ponto, a comunicação eficaz se torna bastante importante para a assertividade da resolução de conflitos e do trabalho em equipe. Utilizar técnicas para aprimorar essas habilidades, como o feedback construtivo e a prática da empatia, são maneiras eficazes de treinar essa questão.
  5. Aprimore o aprendizado: os gestores enfrentam constantemente situações desafiadoras que exigem inteligência emocional. Saber como aplicar os princípios da inteligência emocional em situações de conflito, tomada de decisões difíceis e lidar com a pressão faz com que o gestor se destaque entre seus pares.

          Outro aspecto pouco abordado pelas empresas até uns anos atrás é o ato de cuidar do bem-estar pessoal para manter um estado emocional equilibrado.

          É como se a lógica de ‘quem está bem, está feliz e quem está feliz, produz mais’ ganhasse uma notoriedade nunca antes percebida. Logicamente, como todo aprendizado, cultivar a inteligência emocional exige prática e comprometimento, mas adianto a você: vale a pena! Os benefícios são realmente significativos, tanto para o crescimento profissional dos gestores quanto para os negócios.

          *Marcelo de Sá é CFO do Grupo Petrópolis, fabricante das marcas de cerveja Itaipava, Petra, Black Princess, Cacildis, Crystal, Lokal e Weltenburger Kloster, do refrigerante it!, do energético TNT e da água mineral Petra

          Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

          Veja também

          Saúde mental impulsiona sucesso das academias, diz guru do fitness

          Como esta página motivacional virou um hub que fatura R$ 3,5 milhões

          Por que os planos de gerenciamento de mudanças falham?

          Acompanhe tudo sobre:Gestão de pessoasRecursos humanos (RH)LiderançaCEOs

          Mais de Bússola

          Ageless: desafios e oportunidades no envelhecimento populacional

          Complexo eólico inaugurado na Bahia emprega 3 mil pessoas e pode abastecer um milhão de residências

          Inter e Programadores do Amanhã se unem para formar jovens na área de TI 

          36 mil estudantes de 62 escolas públicas são beneficiados por internet fibra

          Mais na Exame