Um conteúdo Bússola

Como a tecnologia pode melhorar a segurança na indústria de apostas

Na América Latina e no Brasil, a indústria de jogos não regulamentada e os jogadores têm seus dados vulneráveis a roubos e fraudes
Indústria sofre com a falta de rede de segurança para fornecer proteção (Martynasfoto/Thinkstock)
Indústria sofre com a falta de rede de segurança para fornecer proteção (Martynasfoto/Thinkstock)
Por BússolaPublicado em 07/01/2022 13:10 | Última atualização em 07/01/2022 13:01Tempo de Leitura: 6 min de leitura

Por Sanjoy Sarkar*

Como a indústria do jogo na América Latina e no Brasil não é regulamentada, os jogadores e seus dados estão vulneráveis a roubos e fraudes, além das suas contas serem congeladas e sua casa de apostas escolhida desaparecer. A indústria, também, sofre com a falta de rede de segurança para fornecer proteção. A regulação é melhor para todos, especialmente porque fortalece os mecanismos para proteger os clientes que se tornam jogadores problemáticos — talvez pouco surpreendentemente, um aumento no jogo problemático foi identificado em toda a América Latina desde o início da pandemia covid-19, no ano passado.

No entanto, olhando para mercados regulamentados no Reino Unido, Europa e América do Norte, existem tecnologias que a indústria de apostas pode usar para melhorar a situação e proteger seus clientes. Como cientista de dados da Playtech, uma das principais empresas de desenvolvimento de software de jogos do mundo, tenho experiência em operar em 30 mercados regulados globais.

Abaixo descrevo cinco maneiras como a tecnologia pode ajudar a melhorar a vulnerabilidade dos jogadores, tanto física, mentalmente, e em termos de seus dados, bem como o impacto no tempo e nas finanças.

1-Testes e análises regulares para garantir a segurança

O jogo online existe desde 1994, bem antes do Google ou Facebook, por exemplo. No entanto, somente em 2007, ela se tornou sujeita à regulamentação local — e mesmo assim, inicialmente, em pouquíssimos países. Cada vez mais mercados decidiram, desde então, regulamentar as apostas online, a fim de colocar em prática medidas para proteger os consumidores e seus dados.

A privacidade e a segurança tornaram-se uma grande preocupação para todas as indústrias nos últimos dez ou 15 anos, e quase todos os países agora têm leis rígidas para garantir que os dados dos consumidores não sejam explorados ou violados. Em um ambiente regulamentado, todas as empresas licenciadas devem respeitar as leis de proteção de dados, bem como os requisitos específicos dos jogos de apostas. Para garantir que essas regras sejam cumpridas, os licenciados devem passar por um rigoroso processo de auditoria, realizado por laboratórios de testes reconhecidos internacionalmente.

O processo analisa minuciosamente o código-fonte de todo e qualquer software de jogo, bem como as práticas organizacionais da empresa. Isso é conhecido como o “processo de certificação”, e é realizado periodicamente. Somente as empresas certificadas com sucesso podem oferecer legalmente seus serviços aos clientes.

2-Monitoramento contínuo de jogadores para reduzir fraudes e roubos

Este teste de segurança de produtos e ambientes de produção, bem como varreduras regulares de vulnerabilidade, é realizado por operadores e fornecedores independentes sérios. Todas as entidades de jogo respeitáveis também terão políticas internas fortes, incluindo o treinamento de funcionários para questões de segurança.

No entanto, os clientes, também, devem ser monitorados para a segurança dos outros. A identificação eletrônica ajuda a garantir que a pessoa que faz login é quem ela diz ser, enquanto existem outras possibilidades, como autenticação multifatorial, impressão de dedos do dispositivo e uma política de senha configurável. Soluções tecnológicas podem detectar comportamentos exploratórios e fraudulentos por meio do uso de análise avançada de dados, por isso o monitoramento contínuo contra atividades de login e a troca de dispositivos também é comum.

Embora deva haver fortes requisitos para proteger contra fraudes e ataques cibernéticos, nem sempre é necessário adicionar camadas de complexidade onde existem as soluções acima mencionadas.

3-Pesquisa para ajudar a orientar políticas

Embora alguns dos principais players do setor tenham anunciado compromissos sobre o jogo responsável, ainda falta colaboração contínua. Padrões mais altos devem ser a norma e isso também deve envolver mais financiamento e investimento para pesquisas e testes, ambos os quais podem ajudar a direcionar discussões e fornecer insights cruciais — especialmente porque a indústria de apostas é capaz de coletar dados relevantes de ambientes do mundo real.

Da mesma forma, eles devem executar iniciativas focadas em jogos de azar responsáveis usando abordagens algorítmicas de última geração e  elevando padrões, inclusive com uma variedade de stakeholders, como aqueles com experiência vivida, o setor financeiro, desenvolvedores de software, organizações de aconselhamento de dívidas, academia e centros de tratamento.

O compartilhamento amplo de descobertas confiáveis também ajuda a garantir que as regulamentações sejam desenvolvidas com base em evidências, tornando-as mais eficientes, e ajudando a cumprir os objetivos do marco regulatório do jogo. A transparência, como sempre, é crucial, e essa abordagem reconhece os fatores de risco do setor, ao mesmo tempo em que busca minimizar proativamente os danos. O lucro nunca deve ser tudo.

4-Análise de dados para identificar jogadores problemáticos precocemente

Os primeiros investimentos destinados a impedir o desenvolvimento de jogadores problemáticos, especialmente nos mercados recém-regulados, terão um custo porque impedem alguns jogadores de gastar demais ou até mesmo os impede completamente. Em última análise, os operadores não devem ter jogadores problemáticos como clientes, e por meio do uso de análise de dados, os jogadores em risco podem ser identificados precocemente e contatados por pessoal dedicado e treinado.

Embora estas sejam complementadas com as ferramentas automatizadas que permitem o engajamento do cliente, pesquisas mostraram que as comunicações personalizadas de clientes em tempo real são muito mais eficazes do que campanhas de e-mail genéricas. Os operadores locais nunca devem ver o jogo responsável e a proteção dos jogadores como apenas uma questão de compliance. Também não deve ser impulsionado por riscos de ação de execução pelo regulador.

O jogo responsável deve fazer parte das discussões internas, ao lado do compliance e da inovação. E como as novas regulamentações devem sempre permitir tempo suficiente para entrar em conformidade com os requisitos, tanto o regulador quanto a indústria podem se familiarizar com quaisquer novas regras.

5-Serviços de bloqueio de dispositivos para permitir a autoexclusão

Há uma série de serviços de bloqueio de dispositivos disponíveis, como Gamban e Gamstop, que permitem que os indivíduos impeçam que seu celular, computador e/ou tablet sejam usados para acessar sites de apostas online. Essas ferramentas gratuitas de auto-exclusão entre plataformas impedem o usuário de acessar operadores online legalmente acessíveis e regulamentados por períodos que variam de seis meses a cinco anos.

Com base em pesquisas realizadas para a GambleAware, o Gamban mostrou-se 99% eficaz em bloquear o acesso a sites e aplicativos de jogos de azar. Tal tecnologia claramente torna a indústria do jogo mais segura e, portanto, deve fazer parte do marco regulatório de qualquer país.

*Sanjoy Sarkar é cientista de dados da BetBuddy, Playtech

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

Veja também