Com 34,6 milhões de ouvintes, podcast é hobby... por enquanto

Pesquisa inédita revela que praticamente dois terços dos produtores de podcast se interessam apenas em criar, sem remuneração para isso

Por Danilo Vicente*

Podcast chegou com força nos últimos anos, e isso não é novidade. Somos (eu me incluo no grupo) 34,6 milhões de ouvintes, segundo a Associação Brasileira de Podcasters (Abpod). Na TV, nos portais de internet, nos jornais e nas rádios pululam programas profissionais disponibilizados em arquivos de áudio. Essa situação faz parecer que hoje o mercado de produtores é de gente que trabalha e ganha dinheiro com podcasts. Não! A realidade é outra, por enquanto.

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

A mesma Abpod traz, em pesquisa inédita, quem são os produtores de podcasts no Brasil. Eis que 65,7% têm única e exclusivamente interesse em podcasts por hobby. Ou seja, praticamente dois terços de quem produz apenas se interessam em criar, sem remuneração para isso.

Outros 14,6% têm receitas que pagam seus custos, 4,7% trabalham com podcast para complementar a renda, 2,8% têm grande parte da renda oriunda de podcasts e apenas 2,6% vivem exclusivamente da renda obtida com eles.

Acredite, os números estão cada vez melhores. Em 2018 houve a “explosão” de interesse por podcasts, e é natural que a profissionalização cresça ano a ano. O produtor de podcast, até mesmo pela facilidade que a tecnologia proporciona, é basicamente multitarefa: 34,3% apresentam, editam e produzem seus arquivos, enquanto 13% acrescentam a tarefa de serem colunistas. Os demais desempenham outras atividades da cadeia produtiva.

A distribuição é forte em canais como Spotify (87,2% da preferência), iTunes (68%) e Deezer (57,1%), mas é interessante a tendência do YouTube (19,8%), que usa a busca do Google como força.

No início da pandemia de Covid-19, a queda na audiência de podcasts foi sentida por muitos produtores. Enquanto em outros países a situação se reverteu a partir do final de abril de 2020, no Brasil os piores meses foram entre final de abril e final de maio. O retorno foi puxado, principalmente, por este novo jeito de transmitir, via YouTube.

Os números mostram o mar aberto que podcasters podem desbravar. Que o hobby continue, mas que também haja mais e mais profissionalização.

*Danilo Vicente é sócio-diretor da Loures Comunicação

Assine os Boletins da Bússola

Mais da Bússola:

Quer aumentar a diversidade na sua empresa? Descubra como agora

Caio Carneiro: Persistência ou teimosia. Você sabe a diferença?

O futuro do varejo é omnicanal, totalmente conectado

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.