Avós são a maior referência para quem cria filhos, diz estudo da Nestlé

Por outro lado, laços familiares também geram pressão e julgamentos sobre os pais

Criar filhos é, sem dúvida, uma das tarefas mais incríveis e difíceis da vida. No Brasil, as avós são uma grande base de apoio e assumem uma influência predominante nas decisões sobre como criar as crianças, sendo que a rede de apoio também conta com irmãs, tias, avô e pai.

Os pais buscam mais conselhos com a mãe, sogra ou outros membros da família (79%), do que com os profissionais de saúde (67%) ou parceiro e parceira (45%).

Ao mesmo tempo em que a rede de apoio é fundamental para a criação de um filho, os laços familiares também podem ser uma fonte de grande pressão, gerando julgamentos, cobranças e comparações: 71% relatam que todos têm uma opinião sobre como os filhos devem ser criados e que a pressão social está bem presente.

Em contrapartida, 62% dos pais brasileiros se sentem bem amparados para tomar decisões parentais esclarecidas.

Esses são achados de uma pesquisa global pioneira feita pela Nestlé em parceria com o Instituto Kantar com 8 mil pais de 16 países, incluindo o Brasil, para se chegar a um Índice de Parentalidade que traz uma nova perspectiva para compreender as pressões e questões enfrentadas pelos pais no dia a dia.

Siga Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter  |   Facebook   |  Youtube

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também