• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Apesar da pandemia, o intercâmbio ainda vale a pena. Saiba por que

Mesmo com as restrições provocadas pela pandemia e a dificuldade para obter vistos estudar fora continua sendo vantajoso
Alguns países criaram protocolos rígidos para a entrada de brasileiros. (Getty Images/Erlon Silva - TRI Digital)
Alguns países criaram protocolos rígidos para a entrada de brasileiros. (Getty Images/Erlon Silva - TRI Digital)
Por Da RedaçãoPublicado em 16/05/2021 13:00 | Última atualização em 15/05/2021 08:25Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Flavia Rezende*

O mercado brasileiro de intercâmbios encerrou o ano de 2019 em alta, com cerca de 460 mil viajantes ao redor do mundo, de acordo com dados da Belta (Associação de Agências de Intercâmbio do Brasil). O momento positivo, no entanto, tomou rumos inesperados em 2020. Era inevitável que o setor sofresse com os efeitos da pandemia de covid-19.

Mesmo em 2021, com algumas mudanças no cenário geral, planejar um intercâmbio acadêmico ainda é uma tarefa desafiadora. Alguns países mantêm as restrições à entrada de brasileiros, enquanto outros criaram protocolos mais rígidos, com quarentena em hotéis específicos custeada pelo viajante.

Há também a dificuldade de obtenção de vistos, devido aos horários reduzidos de atendimento nos consulados. Diante de tanta dificuldade, ainda vale a pena investir em cursos fora do país? A resposta é sim.

O impacto positivo para a carreira é o principal motivo. Para além do idioma – ter inglês fluente aumenta a média salarial em até 15% – as empresas valorizam os aspectos socioemocionais que podem ser desenvolvidos em um intercâmbio, como flexibilidade e adaptabilidade.

As oportunidades de estudar fora aumentaram significativamente nas últimas duas décadas, com o surgimento de agências especializadas e a valorização da moeda. Por essa razão, vemos cada vez mais profissionais em cargos de gerência ou direção, que não tiveram a oportunidade mais cedo, partindo para a realização de pós-graduação ou MBA no exterior. O que antes era um sonho distante hoje é uma possibilidade real de investir no crescimento profissional e pessoal.

Para se adaptar ao cenário adverso, o próprio setor criou facilidades e incentivos, mais um motivo para não abandonar a empreitada de um intercâmbio agora. Algumas agências oferecem a possibilidade de remarcar sem custos as datas de passagens e cursos. Outras, como a Laiob (Latin America Institute of Business), instituição especializada na oferta de programas de imersão e cursos rápidos em universidades americanas, investiram em parcerias com instituições de ensino para a concessão de bolsas de até 100% em cursos de curta duração, como finanças corporativas e gestão de projetos. A possibilidade de trabalhar à distância – agora com o home office institucionalizado em diversas empresas – é outra novidade que pode impulsionar a tomada de decisão entre os intercambistas.

Aqueles que decidirem investir nessa jornada devem planejar com cuidado e escolher instituições confiáveis. A longo prazo, a experiência será recompensadora, seja pelas oportunidades no mercado de trabalho ou na vida pessoal.

*Flavia Rezende é sócia-diretora da Loures Comunicação

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube