Ana Fontes: Covid-19 e o impacto desigual na vida das mulheres

Presidente da Rede Mulher Empreendedora analisa os efeitos nocivos da pandemia para as mulheres: de menos espaço no mercado de trabalho ao aumento da violência doméstica

Quase um ano após o início da Covid-19 no Brasil, já podemos fazer um pequeno balanço do impacto que essa pandemia trouxe para a vida dos brasileiros e, especificamente, para a mulher brasileira. Infelizmente não são dados animadores. Por outro lado, registramos pequenas mudanças que, talvez, sirvam como exemplo para outras crises sociais e econômicas.

Em primeiro lugar, devemos entender por que as mulheres foram e são as mais afetadas pela Covid. Além da alta taxa de desemprego geral, a participação da mulher no mercado de trabalho no país caiu ao menor índice nos últimos 30 anos. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), no último trimestre de 2020, as mulheres representavam menos de 45% da força ativa de trabalho. Antes da pandemia, a média superava os 50%.

Embora a crise tenha afetado diversos setores produtivos, os segmentos mais castigados foram os de serviços, como hotelaria, alimentação, beleza e serviços domésticos - postos ocupados em sua maioria por mulheres. Daí o impacto tão forte no desemprego feminino.

Além disso, é importante levar em conta outras desigualdades dentro do mercado de trabalho, como salários, oportunidades e estabilidade. Geralmente, quando uma demissão é necessária, a mulher acaba sendo a escolhida, independentemente de performance e produtividade. 

Mas não foi só na economia onde a mulher sofreu as principais consequências dessa crise. Em termos sociais, verificou-se também o crescimento da violência doméstica e do feminicídio. Levantamento do Ministério Público de São Paulo registrou um pico de até 40% de ocorrências em 2020 se comparado ao ano anterior. Um número inaceitável em qualquer situação, com pandemia ou sem.      

A necessidade de geração de renda e de independência econômica - na maioria das vezes a solução para fugir dessa violência - “jogou” muitas mulheres para o empreendedorismo forçado, necessário para a sobrevivência pessoal e para a de muitas famílias.

Nesse cenário, deparamo-nos com iniciativas de algumas instituições privadas e de organizações não governamentais que entenderam as necessidades dessas mulheres e ajudaram a minimizar o caminho dessa transição profissional.

Eu, diretamente envolvida em diversas dessas ações, como de geração de renda, capacitações técnicas, mentorias e muitas outras, posso dizer que, se o cenário está longe de ser justo e igualitário entre os gêneros, ao menos estamos conseguindo auxiliar mulheres que muitas vezes são o único pilar econômico e afetivo de uma família.

Posso dizer, baseada em estudos e pesquisas que tenho conduzido nestes quase 12 meses de pandemia, que a mulher empreendedora (iniciante ou não) tem se mostrado resiliente em sua vida e extremamente interessada em se preparar ou atualizar. São delas os mais altos índices em capacitação e formação técnica, seja por meio de cursos regulares, palestras ou conteúdos on-line.

E têm sido elas também as que melhor adequaram os negócios às novas exigências mercadológicas e comerciais, digitalizando processos internos, comunicação externa e relacionamento com o cliente. E, na contramão de tudo, contratando outras mulheres quando necessário.

Claro que ainda é pouco. Temos um longo percurso pela frente, que vai muito mais além dos reparos da desigualdade que a epidemia vem causando. 

Quer saber mais? Acesse nossas pesquisas em https://rme.net.br/pesquisa

*Ana Fontes é fundadora e presidente da Rede Mulher Empreendedora – RME: http://www.rme.net.br   

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.