Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Agricultura 4.0: crescimento sustentável e um olhar sobre o planeta

ESG chega ao campo aliada à tecnologia para aumentar a produtividade e reduzir danos ambientais do agronegócio

Modo escuro

Continua após a publicidade
Tecnologia no campo traz eficiência e melhora a imagem do produtor (Victor Moriyama/Bloomberg //Getty Images)

Tecnologia no campo traz eficiência e melhora a imagem do produtor (Victor Moriyama/Bloomberg //Getty Images)

B
Bússola

Publicado em 11 de maio de 2022 às, 14h40.

Última atualização em 11 de maio de 2022 às, 14h50.

Por Gustavo Foz*

A adoção da tecnologia no campo, que cresce em ritmo acelerado a cada ano, tem melhorado não apenas a eficiência na produção mas também a imagem do agronegócio e do agricultor, em particular. Graças à implementação de novas formas de cultivo, colheita e transporte da produção, juntamente com a introdução de tecnologias de organização, planificação e financiamento das propriedades, o setor se distancia cada vez mais das críticas sobre os impactos ambientais da produção.

Desde o compromisso assinado pelo Brasil com a ONU para a redução dos gases de efeito estufa, em 2009, o país reduziu 154% das emissões de CO₂ e metano estipulados para a década de 2020. Um dos maiores responsáveis para essa redução no setor rural, como aponta o estudo Desenvolvimento da agricultura de Baixo Carbono no Brasil, do Instituto de Pesquisa de Econômica Aplicada (Ipea), foi a implementação de novas técnicas de cultivo. A pesquisa ressalva, no entanto, que o Brasil ainda tem muito a caminhar para ser considerado uma verdadeira referência no mercado verde.

Duas siglas e um objetivo

Se à primeira vista o uso de novas ferramentas e a mudança na organização das propriedades tenham ressignificado a forma como produtores e transportadoras lidam com seus objetivos ambientais, foi a renovação do mindset entre empresas que deu o passo fundamental para essa evolução, baseada em duas siglas: ESG e ODS. A primeira, velha conhecida de investidores e empreendedores, se refere às boas práticas de meio ambiente, governança e consciência social das empresas e espera movimentar, segundo a Bloomberg, cerca de U$ 53 trilhões, até 2025, em ações relacionadas.

Já os ODS, ou Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, fazem parte de um documento firmado em 2015 no Plenário da ONU com o objetivo de transformar a matriz poluente do desenvolvimento. Assinado por 193 nações-estado, o tratado conta com 17 objetivos, totalizando 169 metas, para criação de um sistema econômico que contemple práticas ecoconscientes em sintonia com medidas sociorresponsáveis. O mais curioso da empreitada é que ela não diz respeito, apenas, a políticas governamentais ou investimentos filantrópicos, segundo estudo realizado pela Tetra Pak, multinacional sueca, cerca de 87% dos consumidores colocam o uso sustentável de recursos como uma das condições para consumir.

Quando falamos do agronegócio, a preocupação com os impactos produzidos é ainda maior. De acordo um estudo da PwC, modelos de negócios baseados no agro brasileiro devem, em média, crescer 20% até 2030. Isso significa que haverá uma maior demanda de energia elétrica (40%), água (50%) e de expansão na cadeia de alimentos (35%) a fim de suprir a amplificação da atividade. Logo, os desafios da próxima década não serão somente a introdução de novas práticas ecológicas e sociais, mas sim, a aplicação diária desses conceitos no planejamento e estruturação de negócios.

Boas práticas, técnicas exigentes e tecnologias transformadoras

Popularmente conhecida como agricultura 4.0, a modalidade reúne um leque de soluções para fazendas e pastos graças à utilização de máquinas automáticas, novos métodos de cultivo, aplicação de drones nas propriedades e à chegada de respostas inteligentes a produtores por meio do uso de aplicativos. Seja para planejar o plantio da safra do ano, seja para otimizar os processos de colheita e transporte de mercadorias, essas plataformas vêm transformando o setor agrícola e já alcançam cerca de 60% de todos os produtores do país, de acordo com a oitava pesquisa Hábitos do Produtor Rural, promovida pela Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio.

Um outro dado deixa ainda mais clara a importância da tecnologia no agro em relação ao meio ambiente. Segundo pesquisa do Instituto Millenium em parceria com a consultoria Octahedron Data Experts (ODX), a aplicação dessas tecnologias não apenas traz ganhos de produtividade como também reduz os danos ambientais do agronegócio. Um grande exemplo da sinergia entre pesquisa, tecnologia e aplicação prática é o Projeto Carbono, parceria do Cecafé com a Esalq/USP. Nesse experimento, agrônomos e cafeicultores demonstram que o uso de novas ferramentas e técnicas de cultivo resultou em um café com balanço negativo de CO₂, ou seja, a plantação absorve todo o carbono utilizado em seu plantio.

Como se fosse pouco, o mercado de ESG no agronegócio já movimenta mais U$ 10 bilhões lastreados na venda de títulos verdes, um terço de toda a fatia do ecossistema de transações na América Latina, segundo estudo realizado Climate Bonds Initiative em 2021. O que simboliza a importância da adoção da mentalidade para saúde do setor e o bem-estar do desenvolvimento do planeta no longo prazo. A verdadeira revolução agrícola não será fomentada por grandes máquinas, novas formas de produção de alimentos, nem o uso da tecnologia de ponta em nosso dia a dia, mas sim pela herança que toda cadeia produtiva irá deixar para as futuras gerações.

*Gustavo Foz é CEO e cofundador da Culttivo, startup que garante financiamento 100% online para produtores de café em um prazo muito menor que os bancos tradicionais.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Como o 5G pode viabilizar o futuro da indústria?

Três aplicações de data science que mudam os negócios de verdade no Brasil

Grupo Pereira vai converter todas as lojas da rede para energia renovável

Últimas Notícias

Ver mais
Entenda o que empresas e consumidores precisam saber no caso de arrependimentos pós Black Friday

Bússola

Entenda o que empresas e consumidores precisam saber no caso de arrependimentos pós Black Friday

Há 17 horas

Bússola Poder: a imunidade fiscal de juízes e parlamentares

Bússola

Bússola Poder: a imunidade fiscal de juízes e parlamentares

Há 18 horas

Inteligência artificial: a promessa e o perigo além do Web Summit Lisboa 2023

Bússola

Inteligência artificial: a promessa e o perigo além do Web Summit Lisboa 2023

Há 22 horas

Pirataria: ‘é preciso investir ainda mais em fiscalização’, afirma presidente do FNCP

Bússola

Pirataria: ‘é preciso investir ainda mais em fiscalização’, afirma presidente do FNCP

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais