A página inicial está de cara nova Experimentar close button

A TV define a cor da camisa do seu time de futebol? Na Itália, sim

País vetou o uso de uniformes verdes para que não haja confusão do telespectador

Por Danilo Vicente*

Nesta semana, a Itália escancarou uma novidade que, timidamente, já vinha ganhando espaço no futebol. A partir da temporada 2022-2023, a primeira divisão italiana do calcio não mais terá uniformes verdes. É o que diz o artigo 2 do regulamento de uniformes divulgado pela Federazione Italiana Giuoco Calcio, que organiza o campeonato. Motivo: a transmissão televisiva.

A novidade quer criar um maior contraste entre os jogadores e o gramado para que o telespectador não se confunda. A regra só valerá para os jogadores de linha, liberando a cor verde para os goleiros.

Nada muda para a temporada 2021-2022, mas a alteração foi antecipada para que os clubes e seus fornecedores de material esportivo tenham tempo de se adaptar. O pequeno Sassuolo, time cuja camisa é listrada em verde e preto, terá de inventar uma vestimenta, assim como o recém-promovido Venezia, que traz detalhes em verde no uniforme. Quem tinha uniforme alternativo em verde também terá de vetá-lo.

O regulamento ainda estabelece que um time deve sempre jogar em tom escuro e o adversário em tom claro, reforçando uma regra imposta pela Fifa, a organização máxima do futebol, em seus principais campeonatos.

Você notou que na final da Copa América a Argentina entrou em campo, contra o Brasil, toda de branco? Esse tem sido rotineiramente o uniforme dos hermanos desde a Copa do Mundo de 2014, quando o calção preto foi colocado na gaveta (ele ainda é oficial, mas entra menos em campo) por indicação da Fifa e sua regra monocromática.

Desde a Copa de 2006, a receita da Fifa é a mesma: as seleções não podem entrar em campo com qualquer parte de uniforme cuja cor coincida com a do adversário, mesmo que seja uma peça diferente. E há uma recomendação para uniforme inteiro em mesmo tom.

Alemanha e Espanha, que tinham entrado na onda monocromática em branco e vermelho, respectivamente, abandonaram a ideia.

O que me intriga é que a tecnologia avançou muito e, hoje em dia, é difícil que, com telas que chegam a 8k de definição, o telespectador se confunda. Não refuto a dificuldade de daltônicos, claro, mas a mudança arranha tradições de um século. A Argentina, por exemplo, começou a combinação camisa branco e azul celeste e calção escuro por volta de 1910.

A seleção brasileira manteve seu calção azul ao jogar com a camisa amarela, a não ser em jogos específicos. Ponto para a CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

O poder financeiro da transmissão televisiva de futebol é inegavelmente importante. Mas alguém ainda tem televisor preto e branco neste planeta? E alguém já confundiu o verde do gramado com o verde da camisa de futebol? Tem gente que gosta de inventar.

*Danilo Vicente é sócio-diretor da Loures Comunicação

Este é um conteúdo da Bússola, parceria entre a FSB Comunicação e a Exame. O texto não reflete necessariamente a opinião da Exame.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Veja também

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também