Bússola

Um conteúdo Bússola

3 passos para unificar a cultura organizacional após processos de fusão e aquisição

Diretora de RH em holding com 38 marcas dá dicas dicas para ter sucesso na unificação de uma cultura organizacional

"Apesar dos desafios, com estratégias bem definidas e uma abordagem colaborativa, é possível construir uma cultura forte e eficiente" (courtneyk/Getty Images)

"Apesar dos desafios, com estratégias bem definidas e uma abordagem colaborativa, é possível construir uma cultura forte e eficiente" (courtneyk/Getty Images)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 19 de junho de 2024 às 10h00.

2024 começou com mais de 80 operações de fusões e aquisições e, segundo relatório da PwC Brasil, a tendência é de crescimento nos próximos meses. 

Entre trocas de liderança, preenchimento de papelada e reorganização das operações, um grande empecilho se apresenta: a diferença e, por vezes, a incompatibilidade de culturas organizacionais

A tarefa de planejar uma estratégia de unificação cultural é importante tanto para o para o executivo que planeja ou está a caminho de chefiar uma holding, quanto para o setor de recursos humanos.

Para expor um caminho viável, conversamos com Renata Esteves, diretora de Gente e Gestão da BeFly, ecossistema de negócios focado em turismo da América Latina que reúne 38 marcas e entende bem do processo.

A executiva destaca três pontos essenciais:

1. Diagnosticar e respeitar a diversidade de culturas 

Cada empresa tem sua história. Para integrar hábitos e comportamentos de empresas adquiridas, é preciso um diagnóstico cuidadoso das práticas e valores de cada uma delas, para garantir que todas as vozes sejam ouvidas e respeitadas

“[a BeFly] começamos conversando e entrevistando nossos colaboradores e lideranças, para resgatar a história e o DNA de cada marca, o que nos permitiu enxergar os pontos de convergência e os objetivos em comum, que formam a base da nova cultura organizacional, exemplifica. 

2. Comunicação contra a resistência à mudança

Renata ressalta que os colaboradores podem se sentir ameaçados pelo novo e por medo da perda de identidade organizacional

Um estudo da McKinsey & Company revelou que 70% das iniciativas de transformação cultural falham devido à resistência dos funcionários e à falta de suporte da liderança.

É fundamental uma comunicação clara e transparente sobre os benefícios de uma cultura forte e consolidada. Assim, evita-se o medo e a resistência.

Colocar as pessoas em primeiro lugar

A BeFly foi fundada em 2021 a partir da aliança entre duas marcas líderes do mercado: Belvitur e Flytour.

No lugar de forçar uma mudança drástica, a equipe de Gente e Gestão e Comunicação procurou celebrar a diversidade das marcas e pessoas, colocando os colaboradores em primeiro lugar e permitindo que mantivessem sua identidade dentro da nova cultura.

“Apesar dos desafios, com estratégias bem definidas e uma abordagem colaborativa, é possível construir uma cultura forte e eficiente, impulsionando seu sucesso a longo prazo”, conclui Renata.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

 

Acompanhe tudo sobre:Fusões e Aquisições

Mais de Bússola

Vinicius Hilkner: a IA Generativa é o integrante essencial que faltava no seu time? 

Melhor empreender no campo ou na cidade? Conheça jovens da Bahia que escolheram a primeira opção

A empresa centenária e familiar que se orgulha de ter 85% de presença feminina entre funcionários 

Como utilizar os meios digitais para atrair e reter pacientes em clínicas e consultórios?

Mais na Exame