Unicamp desliga mil estudantes por não comprovarem vacinação contra covid-19

As determinações consideram a possibilidade de pessoas que não possam se vacinar em função de alguma condição clínica apresentarem atestado médico com justificativa
Unicamp: universidade desligou 1.311 alunos no início do ano letivo de 2022 (Creative Commons/Creative Commons)
Unicamp: universidade desligou 1.311 alunos no início do ano letivo de 2022 (Creative Commons/Creative Commons)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 06/10/2022 às 11:18.

Última atualização em 06/10/2022 às 11:27.

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) desligou 1.311 alunos no início do ano letivo de 2022 por não apresentarem comprovação vacinal contra a covid-19 no momento da matrícula. Uma deliberação da universidade, publicada na edição de 10 de dezembro de 2021 do Diário Oficial do Estado de São Paulo, determina a apresentação do comprovante de vacinação pelos discentes.

Conforme a assessoria de imprensa da reitoria, a universidade estendeu várias vezes o prazo para o envio do comprovante. "A reitoria salienta que decisões da Unicamp passam por todas as instâncias administrativas e de câmaras que são compostas de alunos, funcionários e docentes", acrescenta.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Consta no Artigo 2º da Deliberação CEPE-A-021/2021: "Todos os alunos regulares de graduação, pós-graduação, extensão e dos Colégios Técnicos deverão, obrigatoriamente, apresentar a comprovação de, no mínimo, uma dose de vacina contra a covid-19, previamente e como condição para sua matrícula".

O documento leva em conta a condição epidemiológica em que estavam as cidades em que há câmpus da universidade Campinas, Limeira e Piracicaba e o compromisso da Unicamp com a proteção da vida e da saúde de toda a comunidade.

A deliberação também prevê que, até estarem com o esquema vacinal completo, não seria permitido frequentar as atividades presenciais nos câmpus. A Unicamp tem cerca de 35 mil alunos matriculados (graduação e pós-graduação), 1.934 docentes e 6.489 funcionários.

A reitoria confirmou nesta quarta-feira, 5, ao Estadão, que os desligamentos de alunos em função dessa deliberação ocorreram no início deste ano letivo, entre fevereiro e abril, sendo 966 alunos de graduação e tecnologia, oito de Lato Sensu (especialização) e 337 de Stricto Sensu (Mestrado e Doutorado). Atualmente, todos os alunos ativos na universidade estão com comprovação vacinal.

Para os funcionários, também há uma instrução normativa (DGRH 03/2021), de 29 setembro de 2021, que determina a comprovação vacinal contra a covid-19. Segundo a universidade, não houve casos de desligamento por descumprimento.

As determinações consideram a possibilidade de pessoas que não possam se vacinar em função de alguma condição clínica apresentarem atestado médico com justificativa.

Renan Fratine, estudante de doutorado no câmpus de Campinas, considera que a Unicamp está focando na proteção da comunidade e inclusive por ter um hospital dentro da universidade, avalia como apropriada a cobrança de vacina. "Foi uma das primeiras instituições a fechar quando a pandemia estava começando. Eles levam a covid-19 muito a sério", afirma.

USP

A Universidade de São Paulo (USP) removeu dos sistemas as notas e o acompanhamento de frequências de 275 estudantes que não comprovaram ter sido vacinados com duas doses contra a covid-19. Em agosto de 2021, a universidade publicou uma portaria que previa que podia voltar às aulas em outubro apenas quem tivesse completado o esquema vacinal. A obrigatoriedade da terceira dose será aplicada para o segundo semestre deste ano.