Brasil

Caso Bernadete: Três homens são presos sob suspeita de matar líder quilombola

O anúncio das prisões foi feito pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia nesta segunda-feira

Mãe Bernadette: Os nomes dos suspeitos não foram divulgados (Paulo Pinto/Agência Brasil)

Mãe Bernadette: Os nomes dos suspeitos não foram divulgados (Paulo Pinto/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 5 de setembro de 2023 às 07h52.

Última atualização em 5 de setembro de 2023 às 07h53.

Três homens foram presos por suspeita de participar do assassinato da líder quilombola Bernadete Pacífico, na noite de 17 de agosto, no Quilombo Pitanga dos Palmares, em Simões Filho, região metropolitana de Salvador.

O anúncio das prisões foi feito pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia nesta segunda-feira, 4. Um dos presos confessou ser o executor do crime, segundo a pasta, enquanto os outros dois foram detidos por guardarem as armas do assassinato e pertences da vítima e de familiares, como cinco celulares roubados após o assassinato. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados.

Fique por dentro das últimas notícias no Telegram da Exame. Inscreva-se gratuitamente

A motivação do crime foi revelada em depoimento à polícia, segundo as autoridades, mas o secretário de Segurança Pública do Estado, Marcelo Werner, não compartilhou informações para "não prejudicar as investigações". De acordo com ele, "algumas linhas de investigação ainda estão em andamento" e outro executor ainda é procurado.

"Se antecipar qualquer uma dessas linhas, pode ser prejudicial. A gente segue as investigações porque ainda existem outras medidas cautelares em andamento. Temos, inclusive, não só equipes trabalhando em campo em busca de outros elementos, de outras pessoas para serem ouvidas, inclusive a possível localização do outro executor", afirmou o secretário Werner.

Os três presos integram um grupo criminoso que atua na região do quilombo, conforme a pasta. Só o homem que confessou, no entanto tem passagem pela polícia. Ele foi preso no município de Araçás a 69 quilômetros do quilombo Pitanga dos Palmares, na sexta-feira, 1º. Naquele dia, também foi preso um mecânico que, conforme a secretaria, guardou as duas pistolas, com munições e três carregadores, compatíveis com os projéteis recolhidos no local do crime.

O material foi encontrado na oficina desse mecânico, também em Pitanga de Palmares. A primeira prisão foi feita uma semana antes, em 25 de agosto, em Simões Filho. O preso é suspeito de receptar os celulares da vítima e de familiares. Diretora do Departamento de Polícia Técnica da Bahia, Ana Cecília Bandeira afirmou que "novas perícias" serão realizadas nos materiais apreendidos pela polícia.

Programa de proteção

O local onde Bernadete foi assassinada era rodeado por câmeras, uma vez que ela integrava desde 2017 o Programa de Proteção a Defensores Humanos da Bahia, coordenado pelo governo federal. "As câmeras também foram retiradas pela Polícia Civil e encaminhadas à perícia", compartilhou Bandeira.

Bernadete denunciava constantemente ser vítima de ameaças de grileiros e madeireiros que agiam ilegalmente no Quilombo Pitanga de Palmares. Em julho, ela relatou o cenário de insegurança à presidente do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber. Em 2017, um dos filhos de Bernadete, Flávio Gabriel Pacífico (Binho do Quilombo), foi assassinado, também em Pitanga dos Palmares. O crime, investigado pela Polícia Federal (PF), nunca foi solucionado.

Mandantes

A tese de que os acusados têm ligação com facções criminosas já havia sido anunciada pelo governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT). O petista disse, quatro dias após o crime, que a polícia trabalhava com três linhas de investigação, entre elas a briga por território e a intolerância religiosa, mas destacou a disputa de criminosos no território tradicional.

A família de Bernadete afirma que o governo deve apresentar quem são os mandantes, não somente os executores. "Ainda que os executores tenham ligações com facções criminosas, isso não isenta de responsabilidade o governo. Pelo contrário, porque a origem disso tudo foi a instalação do presídio local", diz David Mendez, advogado da família.

O advogado relatou, ainda, que as famílias de Pitanga dos Palmares passaram a conviver com a violência quando o governo da Bahia implementou uma prisão no território.

A Colônia Penal de Simões Filho foi aberta, em 2002, no lugar da fábrica de sapatos prometida à época para a população local, segundo Mendez. Procurada para comentar a situação, a Secretaria da Administração Penitenciária e Ressocialização não se manifestou.

A investigação do assassinato de Bernadete e do filho dela é acompanhada pelo Observatório das Causas de Grande Repercussão, formado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Acompanhe tudo sobre:PrisõesAssassinatosLíderesJustiça

Mais de Brasil

Em SC, chuvas elevam rio que corta Blumenau em 6 metros e município entra em estado de alerta

Governo federal vai transferir recursos para reforma de escolas no RS

Após receber novas doses, SP vai retomar a vacinação contra dengue neste sábado

Boulos quer câmeras corporais em agentes da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo

Mais na Exame