Três gráficos que mostram o avanço do coronavírus no interior de SP

Casos no interior triplicaram, mas estado ficou dentro da projeção, segundo o governo. Veja a alta de casos de covid-19 em SP, no interior e na capital

A pandemia de covid-19 começa a atingir alguma estabilização na capital paulista, mas o cenário fica cada vez mais preocupante no interior de São Paulo. Reflexo disso é que, no mês de junho, a capital registrou menos mortes diárias do que o interior.

É o que mostram gráficos elaborados pela EXAME, com dados da Secretaria da Saúde do estado compilados pelo Ministério da Saúde.

Nesta quarta-feira, 1, o governador João Doria (PSDB) disse em entrevista à Globonews que o estado de São Paulo como um todo está muito próximo do “platô”, uma estabilização de casos.

“Nós estamos muito próximos do platô, que é aquela faixa superior e muito próximos de chegar a esse momento aqui no estado de São Paulo. Depois, dizem os especialistas, médicos, cientistas, epidemiologistas e infectologistas, que esse platô segue em uma linha horizontal e depois, na sequência, é o que nós esperamos, o decréscimo”, disse Doria.

Mas apesar da alta menor nos contágios, mesmo o número de casos de coronavírus na capital dobrou em junho: foi de pouco mais de 60.000 casos no fim de maio para mais de 127.000 casos no dia 30 de junho. No interior, o número triplicou, de mais de 49.000 para 154.000 no período.

Ao todo, o estado de São Paulo terminou junho com 281.380 casos confirmados e 14.763 mortes — nesta quarta-feira, 1, o estado ultrapassou o número de 15.000 mortes. Há um mês, em 31 de maio, era cerca de metade disso: quase 110.000 casos e 7.615 mortes.

Ainda assim, o número, segundo o governo do Estado, ficou abaixo das projeções para o mês, que eram de 18.000 mortes e 290.000 casos.

João Gabbardo, secretário-executivo do Centro de Contingência da Covid-19 de São Paulo, também disse em entrevista coletiva nesta quarta-feira que o cenário “é uma confirmação do cenário que tínhamos estabelecido de casos” no interior e na capital. “Nas últimas seis semanas nós temos uma estabilidade na capital, com pouca flutuação, no número de novos óbitos. Podemos visualizar o estabelecimento de um platô”, disse.

Nos gráficos abaixo, veja a curva de casos do coronavírus em São Paulo, no interior e na capital, e a evolução dos casos em junho.

Reabertura em São Paulo

Atualmente, a capital está na fase 3 do Plano São Paulo. Na região metropolitana, duas sub-regiões também estão na fase 2 e duas na fase 3. No interior, nove regiões estão na fase 1 e seis regiões estão na fase 2.

O avanço da doença no interior vem fazendo com que muitas cidades que chegaram a abrir até bares e restaurantes, em maio, precisassem voltar ao nível mais severo da quarentena em que somente serviços essenciais estão autorizados a funcionar.

O Plano São Paulo é a diretriz do governo do estado que estabelece a flexibilização da quarentena. A escala vai de 1, a mais restrita, até a 5, com a volta total da atividade econômica.

O protocolo é revisado a cada duas semanas e leva em conta vários quesitos, como taxa de ocupação de leitos de UTI, variação no número de casos e de mortes por covid-19.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.