Brasil

TCU checa se gastos de R$ 45 mi de Bolsonaro foram para assistência a Yanomamis

O senador afirma que a crise humanitária que assola comunidades Yanomamis 'lança suspeição' sobre os gastos

Yanomamis: O procedimento vai se debruçar sobre despesas do Ministério da Saúde e da Funai, por meio da coordenação regional de Roraima, entre 2019 e 2022 (Ricardo Stuckert/Agência Brasil)

Yanomamis: O procedimento vai se debruçar sobre despesas do Ministério da Saúde e da Funai, por meio da coordenação regional de Roraima, entre 2019 e 2022 (Ricardo Stuckert/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 2 de fevereiro de 2023 às 20h25.

O Tribunal de Contas da União (TCU) abriu um processo para investigar a destinação de uma verba de R$ 45,1 milhões que o governo Jair Bolsonaro declarou ter desembolsado com transporte aéreo e compra de gêneros alimentícios para o povo Yanomami. O relator é o ministro Walton Alencar Rodrigues.

O procedimento vai se debruçar sobre despesas do Ministério da Saúde e da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), por meio da coordenação regional de Roraima, entre 2019 e 2022.

O processo foi aberto a partir de uma representação do senador Jorge Kajuru (PSB-GO). Ele enviou ao TCU um levantamento que aponta gastos em 2022 na ordem de R$ 3,9 milhões com a compra de gêneros alimentícios e de R$ 41,2 milhões com serviços de transporte aéreo.

O senador afirma que a crise humanitária que assola comunidades Yanomamis 'lança suspeição' sobre os gastos.

"As despesas e os fatos são antagônicos", afirma Kajuru. "É necessário que o Tribunal de Contas realize uma investigação detalhada, pois os recursos públicos foram supostamente aplicados, mas o resultado observado é de crise humanitária e ausência do Estado."

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroTCU

Mais de Brasil

Após prestigiar Boulos, Lula só deve participar de mais uma convenção de candidatos; saiba qual

No Brasil para o G20, secretária do Tesouro dos EUA discutirá economia e geopolítica

Lula recebe Tony Blair, ex-primeiro-ministro britânico, nesta segunda-feira, no Palácio do Planalto

Itamaraty vive expectativa por novo fôlego dos democratas após desistência de Biden

Mais na Exame