Super terça da vacinação tem novos lotes de milhões de doses para o Brasil

Doses prontas da vacina da AstraZeneca chegam ao Rio de Janeiro e o Butantan libera vacinas para o Ministério da Saúde

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

Após muitas semanas sem ter novas remessas de vacinas contra a covid-19, o Ministério da Saúde recebe nesta terça-feira, 23, dois lotes com milhões de doses: um da Fiocruz/AstraZeneca e outro do Instituto Butantan/Sinovac.

A maior quantidade chega ao Rio de Janeiro direto para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz). São dois milhões de doses prontas da vacina desenvolvida pela AstraZeneca. O lote vem do parceiro indiano Instituto Serum, o mesmo que enviou um lote ao Brasil há um mês.

Além de contar com produção local, a Fiocruz vai receber um total de 12 milhões de doses de vacina já prontas. Com este carregamento, serão 4 milhões entregues. Não há previsão de quando chegarão as outras 8 milhões de doses. No dia 27 de fevereiro está prevista a chegada de um lote do chamado Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), capaz de produzir cerca de 12 milhões de vacinas.

Também nesta terça-feira, o Instituto Butantan começa a entrega de 3,4 milhões de doses. Este lote foi envasado no Brasil, com a matéria-prima vinda da China.

“Nós começamos a entrega da produção, com 420 mil doses por dia, em média. Nos próximos 8 dias vamos entregar 3,4 milhões de doses. Nesta terça teremos números mais atualizados e espero que possa ser positivamente afetado por novos processos de funcionamento da fábrica”, disse o diretor do Butantan, Dimas Covas, em entrevista coletiva na segunda-feira.

O Brasil ainda depende de mais vacinas para continuar a imunização do primeiro grupo mais vulnerável. Até o momento, já foram vacinadas quase 6 milhões de pessoas, segundo dados do consórcio que reúne veículos de imprensa.

Em reunião com os 27 governadores na semana passada, o ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello, disse que, até o dia 19 de fevereiro, assinaria o contrato para a compra das vacinas russa Sputnik V e da indiana Covaxin. A assinatura não ocorreu.

Na expectativa de Pazuello, as primeiras doses deveriam chegar a partir de março (veja o cronograma). No encontro, o ministro voltou a prometer também que vai imunizar todos os brasileiros ainda em 2021.

Pazuello detalhou que o total de imunizantes que o governo receberia entre fevereiro e julho é de pouco mais de 230 milhões de doses. De acordo com o ministro, no pacote estão vacinas do Butantan/Sinovac (77 milhões), AstraZeneca/Fiocruz (112 milhões), Covax Facility (10,6 milhões), Instituto Gamaleya (10 milhões), e Bharat Biotech (20 milhões).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.