Brasil

SP não registra mortes por covid-19 em 24h pela primeira vez

De acordo com o governo paulista, há 3.011 pacientes internados em todo o estado, sendo 1.375 em UTIe 1.636 em enfermaria

Vacina AstraZeneca. (Eduardo Frazão/Exame)

Vacina AstraZeneca. (Eduardo Frazão/Exame)

GG

Gilson Garrett Jr

Publicado em 8 de novembro de 2021 às 16h48.

Última atualização em 8 de novembro de 2021 às 16h57.

Pela primeira vez desde o início da pandemia de covid-19, o estado de São Paulo não registrou mortes causadas pela doença no período de um dia. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, nesta segunda-feira, 8, não tiveram vítimas do coronavírus. Vale lembrar que às segundas-feiras muitos dados ficam represados, mas a tendência já era de queda desde que a vacinação começou.

Ainda de acordo com o governo paulista, há 3.011 pacientes internados em todo o estado, sendo 1.375 em UTI e 1.636 em enfermaria. A taxa de ocupação dos leitos de UTI no estado hoje é de 24,5% e na Grande São Paulo é de 31,3%.

O estado já imunizou com pelo menos a primeira dose toda a população adulta, acima de 18 anos, o que equivale a 83% de todas as pessoas que moram em São Paulo. Mais de 70% da população já está totalmente vacinada contra a covid-19.

Cidade de SP avalia uso da máscara

A prefeitura de São Paulo vai decidir no dia 10 de novembro se libera a obrigatoriedade do uso de máscara na cidade. Em entrevista à EXAME na semana passada, o prefeito Ricardo Nunes (MBD) disse que aguarda um estudo realizado pela Secretaria Municipal de Saúde para tomar a decisão.

“Os técnicos me deram o prazo de 10 de novembro. Daqui até lá vamos monitorar. O estudo é feito com 15.622 pessoas, é um volume bastante grande para nos dar assertividade na decisão. Pode ser que no dia 10 eles falem que a máscara continua ou não. O que eles me trouxerem, eu vou decidir, independentemente de popularidade. Não vou tomar atitude para agradar, mas para preservar as pessoas”, afirmou Nunes.

Na mesma entrevista, o prefeito disse que não há elementos para barrar a festa de réveillon na Avenida Paulista ou o carnaval de 2022.

“A vacina mudou o contexto da pandemia na cidade de São Paulo e está salvando a economia. Dentro do quadro que temos hoje, não teria motivos para não ter o réveillon e o carnaval em São Paulo. Estamos caminhando a cada dia que passa para números mais confortáveis”, afirmou.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusPandemiasao-paulovacina contra coronavírus

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame