Brasil

Shopping em Blumenau tem fila e aglomeração na reabertura pós quarentena

Os frequentadores eram em sua maioria idosos; ninguém respeitou o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre pessoas

A portaria que libera a reabertura dos shoppings estabelece que os administradores são os responsáveis pelo controle do número de clientes no local (Twitter/Reprodução)

A portaria que libera a reabertura dos shoppings estabelece que os administradores são os responsáveis pelo controle do número de clientes no local (Twitter/Reprodução)

Janaína Ribeiro

Janaína Ribeiro

Publicado em 22 de abril de 2020 às 21h34.

Última atualização em 22 de abril de 2020 às 21h36.

Com 81 pacientes confirmados e nenhuma morte por coronavírus, Blumenau liberou a retomada de centros comerciais e afins após decisão do governo de Santa Catarina nesta quarta-feira, 22. Na reabertura do shopping Neumarkt, em Blumenau, é possível ver uma aglomeração de pessoas em vídeo publicado no Twitter. Os frequentadores eram em sua maioria idosos.

Na imagem, uma fila de pessoas com máscaras entram no shopping com direito a tapete vermelho, músico tocando saxofone e aplausos dos vendedores das lojas. Ninguém respeitou o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre pessoas. A fiscalização das medidas fica a cargo da vigilância sanitária e equipes da segurança pública.

A portaria que libera a reabertura dos shoppings estabelece que os administradores são os responsáveis pelo controle do número de clientes no local.

O governador Carlos Moisés (PSL) afirmou em coletiva que "a participação do indivíduo é fundamental" e que "não podemos prender as pessoas em casa" -  em relação a casos de aglomerações nos setores autorizados a funcionar.

Acompanhe tudo sobre:BlumenauCoronavírus

Mais de Brasil

Justiça determina prisão de 98 anos a Renato Duque, ex-diretor da Petrobras

Prouni 2024: inscrições para vagas do 2º semestre começam na próxima terça, 23

Letalidade policia cresce 188% em 10 anos; negros são as principais vítimas, aponta Anuário

⁠Violência doméstica contra a mulher cresce 9,8% no Brasil, aponta Anuário de Segurança Pública

Mais na Exame