Sem registro da Anvisa, Butantan anuncia cronograma de produção da vacina

Acordo entre o Instituto Butantan e o laboratório Sinovac prevê a produção de 40 milhões de doses, mais 6 milhões que virão prontas da China

O Instituto Butantan anuncia em uma coletiva de imprensa às 12h30 desta quinta-feira, 10, o cronograma de produção da vacina contra a covid-19, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Apesar de revelar todos os detalhes da fabricação, o imunizante ainda não foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Também não foram concluídos os testes de eficiência e segurança - a chamada fase 3 - com os 13 mil voluntários no Brasil.

A Anvisa, porém, autorizou todo o processo de importação dos insumos. O governo de São Paulo justifica que iniciar a produção antes do registro final adiantaria a imunização.

O diretor do Butantan, Dimas Covas, disse na semana passada que espera entregar todos os resultados e pedir o registro formal ao órgão regulador até a próxima semana. Em um estudo revisado por pares publicado no dia 17 de novembro na prestigiada revista The Lancet, foi apontado que a CoronaVac, é segura e foi capaz de criar anticorpos em 97% de 700 voluntários que participaram da fase de testes 1 e 2 na China.

Na segunda-feira, 7, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), detalhou a primeira fase do Plano Estadual de Vacinação contra o coronavírus. O governo prevê iniciar a imunização no dia 25 de janeiro de 2021.

Esta primeira fase vai durar nove semanas, até o dia 28 de março. Serão vacinados 1,5 milhão de profissionais da saúde, e depois 7,5 milhões de pessoas acima de 60 anos. Para vacinar estas 9 milhões de pessoas são necessárias 18 milhões de doses, uma vez que são duas aplicações por pessoa.

Na semana passada chegou ao Brasil a segunda remessa de doses da CoronaVac. Este lote era de 600 litros a granel, o equivalente a 1 milhão de doses. Em novembro, o Butantan já havia recebido as primeiras 120.000 doses da vacina pronta.

O contrato entre o governo de São Paulo e o laboratório chinês Sinovac tem um custo de 90 milhões de dólares. O total de doses compradas é de 46 milhões, sendo 6 milhões já prontas e outras 40 milhões formuladas pelo Butantan, a partir de matéria-prima enviada diretamente da China. O acordo ainda prevê a transferência de tecnologia.

Além do custo de produção, o governo estadual vai gastar mais 100 milhões de reais com a distribuição, dinheiro que sairá do Tesouro do Estado, de acordo com o governador.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.