• AALR3 R$ 20,22 -0.39
  • AAPL34 R$ 67,26 -0.15
  • ABCB4 R$ 16,59 -0.36
  • ABEV3 R$ 14,07 -0.42
  • AERI3 R$ 3,58 -0.83
  • AESB3 R$ 10,77 1.41
  • AGRO3 R$ 30,89 -0.71
  • ALPA4 R$ 20,19 -3.07
  • ALSO3 R$ 18,87 -0.74
  • ALUP11 R$ 27,28 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,36 -1.67
  • AMBP3 R$ 29,71 -1.95
  • AMER3 R$ 22,43 -1.97
  • AMZO34 R$ 63,92 0.24
  • ANIM3 R$ 5,33 -0.56
  • ARZZ3 R$ 78,76 -1.30
  • ASAI3 R$ 15,63 -1.70
  • AZUL4 R$ 20,18 -2.46
  • B3SA3 R$ 11,84 -1.50
  • BBAS3 R$ 37,28 -1.38
  • AALR3 R$ 20,22 -0.39
  • AAPL34 R$ 67,26 -0.15
  • ABCB4 R$ 16,59 -0.36
  • ABEV3 R$ 14,07 -0.42
  • AERI3 R$ 3,58 -0.83
  • AESB3 R$ 10,77 1.41
  • AGRO3 R$ 30,89 -0.71
  • ALPA4 R$ 20,19 -3.07
  • ALSO3 R$ 18,87 -0.74
  • ALUP11 R$ 27,28 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,36 -1.67
  • AMBP3 R$ 29,71 -1.95
  • AMER3 R$ 22,43 -1.97
  • AMZO34 R$ 63,92 0.24
  • ANIM3 R$ 5,33 -0.56
  • ARZZ3 R$ 78,76 -1.30
  • ASAI3 R$ 15,63 -1.70
  • AZUL4 R$ 20,18 -2.46
  • B3SA3 R$ 11,84 -1.50
  • BBAS3 R$ 37,28 -1.38
Abra sua conta no BTG

Sem reajuste, servidores voltam a paralisar os trabalhos nesta quinta

Entidade que representa a base do funcionalismo público pede reposição de 19,9% nos salários, referente às perdas acumuladas desde o início do governo Bolsonaro
 (Reuters/Ueslei Marcelino)
(Reuters/Ueslei Marcelino)
Por Alessandra Azevedo, de BrasíliaPublicado em 27/01/2022 06:00 | Última atualização em 27/01/2022 08:36Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Servidores públicos federais voltam a paralisar os trabalhos nesta quinta-feira, 27, como forma de pressionar o governo a discutir reajustes salariais. O ato será virtual, diferente do ocorrido na semana passada, quando houve manifestações em frente às sedes do Banco Central e do Ministério da Economia, em Brasília.

  • Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.

Também nesta quinta-feira, haverá uma plenária nacional virtual a partir das 10h, para que os funcionários públicos discutam os próximos passos da mobilização. O evento contará com a presença de especialistas que devem detalhar a situação orçamentária e a necessidade de reposição salarial. 

Uma nova paralisação, com atos presenciais em Brasília, está marcada para o dia 2 de fevereiro. A manifestação acontecerá na Praça dos Três Poderes, em Brasília, na semana da volta do recesso do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Legislativo. Se as negociações com o governo não avançarem até março, os servidores podem iniciar uma greve geral.

O movimento começou em dezembro do ano passado, após a aprovação do Orçamento com previsão de reajuste apenas para servidores da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), a pedido do presidente Jair Bolsonaro.

O Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) defende uma reposição de 19,9% nos salários, referente às perdas acumuladas desde o início do governo Bolsonaro, correspondente ao período de janeiro de 2019 a dezembro de 2021. 

O Fonasefe é representante de categorias da base do serviço público, que, em muitos casos, recebem salários menores do que as representadas pelo Fonacate. Além do Fonasefe, o Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), que representa a elite do funcionalismo público, organiza as manifestações.