Brasil

Secretário de Duque de Caxias preso é suspeito de adulterar carteira de vacinação de Bolsonaro

Brecha teria acessado o sistema do ConectSus e inserido dados de vacinação no Estado do Rio de Janeiro em outubro de 2022

Brasília (DF), 03/05/2023 - Polícia Federal faz busca e apreensão na casa do ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Brasília (DF), 03/05/2023 - Polícia Federal faz busca e apreensão na casa do ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 3 de maio de 2023 às 10h38.

O secretário de Cultura e Turismo do município de Duque de Caxias, na baixada fluminense, João Carlos Brecha, é suspeito de inserir dados falsos na carteira de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro, segundo apurou o Estadão/Broadcast. Ele está entre os presos da operação Venire, da Polícia Federal.

Brecha teria acessado o sistema do ConectSus e inserido dados de vacinação no Estado do Rio de Janeiro em outubro de 2022, entre o primeiro e o segundo turno da eleição. Procurado pela reportagem antes de ser preso, Brecha disse que desconhecia qualquer procedimento envolvendo seu nome e que, se fosse notificado, apresentaria resposta às suas indagações. Disse ainda que não tinha "nenhuma relação com o ex-presidente ou com sua família".

Por que João Carlos Brecha foi preso?

Em fevereiro, o Estadão/Broadcast antecipou que a Controladoria-Geral da União (CGU) investigava se houve inserção de dados falsos no cartão de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro nos sistemas do Ministério da Saúde. A reportagem teve acesso a documentos trocados entre os dois órgãos que tratam da apuração.

As fraudes teriam sido feitas para facilitar a entrada de Bolsonaro nos Estados Unidos, caso fosse necessária, já que o País exigia comprovante de vacinação contra a covid-19.

Bolsonaro disse não ter se vacinado contra a covid-19 e impôs sigilo de um século sobre o documento e alegou privacidade. Durante a pandemia, ele questionou a eficácia da vacina inúmeras vezes e desestimulou a vacinação da população.

Em fevereiro, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU) Vinicius Carvalho afirmou que existe no sistema do Ministério da Saúde um registro de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro contra covid-19 no dia 19 de julho de 2021 na UBS do Parque Peruche, em São Paulo.

Em entrevista à CNN na época, Carvalho confirmou que a CGU estava investigando se houve algum tipo de adulteração no cartão virtual de Bolsonaro, o que inclui verificar se o registro citado é verdadeiro ou não. Segundo o ministro, é preciso concluir a apuração sobre a possibilidade de adulteração do cartão de vacinação antes de decidir manter ou retirar o sigilo de 100 anos imposto por Bolsonaro sobre o cartão.

Acompanhe tudo sobre:Operação VenirePolícia FederalJair Bolsonaro

Mais de Brasil

CCJ do Senado adia votação de PL dos jogos de azar para a próxima semana

Juscelino Filho diz que indiciamento é uma ação "política e previsível" e nega acusações

Servidores do Banco Central protestam contra PEC em frente ao Senado

Brasil caminha para ser a sexta economia do mundo até fim do mandato, diz Lula

Mais na Exame