Secovi-SP: valor de contrato novo de locação sobe 0,4%

Com o resultado, a variação média acumulada dos contratos novos nos 12 meses encerrados em outubro totalizou 11,77%

São Paulo - O mercado de imóveis na cidade de São Paulo registrou, em outubro, alta de 0,4% dos valores médios negociados em contratos novos para locação residencial, de acordo com pesquisa realizada pelo Departamento de Economia e Estatística do Sindicato da Habitação (Secovi-SP). A entidade destaca que o levantamento indica uma desaceleração no ritmo de aumento, já que em setembro o valor dos novos contratos de aluguel de residências haviam subido em média 1,7%. Em agosto, a elevação foi de 1,3%.

"Essa estabilização acontece porque os preços vinham subindo muito nos últimos meses. Agora, pelo visto, os valores de locação começam a se acomodar em um novo patamar, mais baixo que o anterior", afirma em nota Francisco Crestana, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP.

Segundo a pesquisa, com o resultado, a variação média acumulada dos contratos novos nos 12 meses encerrados em outubro totalizou 11,77%. Já os contratos em andamento com aniversário em outubro e reajuste atrelado ao Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), apresentam elevação de 7,16%, referente à variação do IGP-M de outubro de 2009 a setembro de 2010.

Nos contratos novos, os imóveis com menos quartos exibiram aumento mais modesto no mês passado. Para as unidades de 1 dormitório, a alta foi de 0,2%, enquanto o valor de locação das moradias de 2 quartos subiu em média 0,5%. Já para as residências de 3 quartos a expansão foi de 0,6%.

Entre os tipos de imóveis oferecidos, as casas e os sobrados foram locados mais rapidamente, com uma espera média de 12 a 27 dias. O prazo de espera para os apartamentos foi um pouco maior: seu Índice de Velocidade de Locação (IVL), que mede em número de dias quanto tempo um imóvel vago demora para ser locado, apontou uma variação média de 17 a 38 dias.

Em outubro, o fiador foi a garantia locatícia mais usada, respondendo por 48% dos contratos de locação efetuados no mês. A segunda modalidade mais utilizada foi o depósito (de até 3 meses), com 32% de participação. O seguro-fiança garantiu aproximadamente um quinto dos contratos de aluguel.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.