Saúde passa a exigir dados de ocupação de UTIs para monitorar sobrecarga

As informações são necessárias para que o ministério saiba para quais regiões do país deve emitir alertas sobre riscos de colapso na rede de atendimento

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou nesta terça-feira, 14, que a pasta passou a exigir que hospitais públicos e privados submetam frequentemente dados atualizados sobre a ocupação dos leitos de UTI, mesmo aqueles que não estão reservados para pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

As informações são necessárias para que o ministério saiba para quais regiões do País deve emitir alertas sobre riscos de colapso na rede de atendimento.

"A gente passa a ter informação mais precisa sobre disponibilidade dos leitos e em quais hospitais vamos perceber que precisamos emitir algum aviso de alerta para essa questão de que estamos já chegando ao limite do atendimento. É super importante isso", afirmou o secretário.

O chefe do ministério, Luiz Henrique Mandetta, destacou que as medidas de contenção do avanço do vírus levam 14 dias para fazer efeito. Por isso, pediu para que a população não considere que "está tudo encerrado".

"Então, é bom ficar muito atento porque às vezes a pessoa pode ver e achar que está tudo encerrado", disse Mandetta. No domingo em encontro com líderes religiosos, o presidente Jair Bolsonaro disse que "está começando a ir embora essa questão do vírus".

Das 25.262 pessoas infectadas pelo novo coronavírus no País, 1.532 morreram, segundo dados atualizados até esta terça-feira. Outros 9.704 pacientes estão internados ou aguardando resultado de exames. O total de recuperados chega a 14.026, o que representa 55% dos que testaram positivo.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus:

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.