A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Saúde assina contrato de transferência de tecnologia da vacina da Fiocruz

Acordo permitirá produção 100% nacional do imunizante contra covid-19

O Ministério da Saúde assinou nesta terça-feira, 1, em cerimônia em Brasília o contrato de transferência de tecnologia da AstraZeneca para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participaram do evento. 

Com o acordo, a Fiocruz terá acesso ao método de produção da vacina AstraZeneca e do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) - componente fundamental das vacinas e que trará autonomia na produção do imunizantes para o Brasil.

De acordo com informações da instituição, a produção do IFA em Bio-Manguinhos se iniciará em junho. Em detalhes, trata-se de uma produção complexa que incluirá uma série de etapas, como a produção inicial de dois lotes de pré-validação e três de validação, que passarão por testes de comparabilidade pela AstraZeneca, até alcançar a produção em larga escala.

Paralelamente, serão elaboradas as documentações necessárias para solicitar à Anvisa a alteração no registro da vacina, incluindo o novo local de fabricação do IFA, condição necessária para entrega do produto ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). A expectativa é que as primeiras doses 100% nacionais sejam entregues em outubro. As instalações terão a capacidade de produção de IFA para cerca de 15 milhões de doses da vacina por mês.

Segundo a Fiocruz, até julho estão garantidas aproximadamente 21 milhões de doses, feitas com insumo importado.

Para evitar a interrupção na produção da vacina contra covid-19 entre agosto e setembro, a Fiocruz tenta fechar um novo acordo com a AstraZeneca para o recebimento de lotes adicionais de IFA da China.

Segundo o Ministério da Saúde, há a contratação de um total de 662 milhões de doses de vacina, com cronograma de entregar até o fim de 2021, ou seja, um excedente de 118 milhões - levando em conta a vacinação de toda a população.

Os maiores volumes foram comprados da Fiocruz/AstraZeneca (210 milhões), da Pfizer/BioNTech (200 milhões), e do Instituto Butantan/Sinovac (130 milhões). Até o fim de maio, o governo federal já distribuiu quase 90 milhões de doses.

  • Quer saber tudo sobre o ritmo da vacinação contra a covid-19 no Brasil e no Mundo? Assine a EXAME e fique por dentro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também