Brasil

São Paulo sem luz: restabelecimento da energia em bairros afetados pode levar mais tempo, diz Enel

Segundo a empresa, as chuvas que atingiram a capital na tarde de ontem afetaram a distribuição principalmente na zona Sul e Oeste

Chuva em São Paulo (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Chuva em São Paulo (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 4 de novembro de 2023 às 10h32.

Última atualização em 4 de novembro de 2023 às 11h12.

O restabelecimento de energia na cidade de São Paulo será gradual, e ainda pode levar tempo, afirmou a Enel Distribuição São Paulo. Segundo a empresa, as chuvas que atingiram a capital na tarde de ontem afetaram a distribuição principalmente na zona Sul e Oeste "danificando trechos inteiros da rede de distribuição em diversos pontos".

"A companhia reforçou as equipes em campo, nos canais de atendimento e no centro de controle e está trabalhando de forma ininterrupta para normalizar o fornecimento de energia para todos", disse, em nota. Algumas regiões da cidade estão sem energia desde as 16 horas de ontem.

Ainda segundo a companhia, as chuvas e ventos que chegaram a derrubar árvores em diversos pontos da cidade vão exigir a reconstrução de muitos trechos da rede. A concessionária classificou os reparos como "complexos".

Atendimento

Diversos consumidores também reclamaram da dificuldade de contato com a companhia por meio de telefone. De acordo com a assessoria da empresa, a orientação seria priorizar os canais digitais. "O call center apresenta lentidão em função do alto volume de chamados". "Os canais digitais da companhia app Enel São Paulo e agência virtual do site http://www.enel.com.br estão funcionando normalmente".

Mortes

Seis pessoas morreram em São Paulo em decorrência das fortes chuvas e rajadas de vento que atingiram o estado nessa sexta-feira (3). A velocidade dos ventos, segundo a Defesa Civil do Estado, chegou a 151 quilômetros por hora (km/h) em Santos. Na capital paulista, as rajadas chegaram a 103,7 km/h, recorde dos últimos cinco anos.

Quatro pessoas morreram por conta da queda de árvores, sendo uma em Osasco, uma em Suzano, municípios da Grande São Paulo; e duas na zona leste da capital paulista. Também houve óbito em Limeira, por desabamento de um muro, e em Santo André, devido à queda da parede de um prédio.

Acompanhe tudo sobre:ChuvasEnergia elétricasao-paulo

Mais de Brasil

Governo de SP entrega 107 obras de infraestrutura turística no 1º semestre e bate recorde

Brasil precisa superar déficit de cidadania, afirma presidente da Politize!

Aos 78 anos, morre o ex-governador do Acre Romildo Magalhães

Morre o jornalista Sérgio Cabral, pai, aos 87 anos

Mais na Exame