São Paulo leiloa hoje 22 aeroportos; investimento previsto é de R$ 447 mi

Estão na lista, divididos em dois blocos, terminais em cidades médias ligadas ao agronegócio, como Ribeirão Preto, Barretos e Sorocaba

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O leilão de 22 aeroportos regionais paulistas que o governo de São Paulo vai realizar nesta quinta-feira não deverá atrair grandes operadores aeroportuários, de acordo com especialistas ouvidos pelo GLOBO. A retração da demanda da aviação civil em meio à pandemia e a incerteza quanto ao crescimento da aviação regional deverão limitar o interesse pelos ativos.

  • Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.

O grupo Socicam, operador de médio porte, é considerado favorito no certame, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. A empresa administra atualmente os aeroportos federais de Cuiabá, Sinop, Rondonópolis e Alta Floresta, no Mato Grosso. Procurada, a companhia não quis comentar sobre o leilão paulista.

Os aeródromos no interior do Estado serão concedidos pela gestão de João Doria (PSDB) por 30 anos, e deverão receber investimentos de ao menos R$ 447 milhões no período. Com a concessão, o governo prevê economizar ao menos R$ 700 milhões com a manutenção dos aeroportos no prazo dos contratos.

A maior parte dos investimentos previstos (R$ 266,5 milhões) está no lote Sudeste, que tem 11 aeroportos e tem como principal aeródromo o de Ribeirão Preto, que antes da pandemia recebia cerca de 1 milhão de passageiros ao ano.

Também fazem parte do grupo as pistas de Araraquara, Avaré, Bauru-Arealva, Franca, Guaratinguetá, Marília, Registro, São Carlos, São Manuel e Sorocaba. Quem levar os aeroportos, vai precisar aportar R$ 75,5 milhões nos primeiros quatro anos de contrato, de acordo com o edital.

O aeroporto de Sorocaba, hoje voltado à aviação executiva, tem enfrentado a competição do aeroporto privado São Paulo Catarina, da JHSF, localizado em São Roque. O concorrente é mais próximo da capital paulista e recentemente obteve autorização para voos internacionais.

Para o secretário de Logística e Transportes do Estado, João Octaviano Neto, o aeroporto de Ribeirão Preto tem vocação para ampliar seus voos regulares e explorar até mesmo voos executivos e de carga em rotas internacionais.

— O operador pode fazer investimentos na busca da melhor performance para o aeroporto, como colocar aviação executiva internacional. O privado vai poder explorar comercialmente os prédios da área aeroportuária. Damos todas as condições para que transforme isso em um excelente negócio — afirma Octaviano Neto.

O segundo bloco a ser licitado, chamado de Noroeste, também com 11 aeródromos, tem como principal ativo o de São José do Rio Preto. Ainda compõem o lote os aeroportos comerciais de Araçatuba, Presidente Prudente e Barretos, além de pistas em Andradina, Assis, Dracena, Penápolis, Presidente Epitácio, Tupã e Votuporanga.

As outorgas mínimas previstas no edital são de R$ 6,8 milhões para o bloco Noroeste e R$ 13,2 milhões para o Sudeste. Vencerá a concorrência quem oferecer o maior ágio em relação a esses valores.

— A expectativa é baixa em relação à competição nesse leilão, os aeroportos mais importantes são mesmo Ribeirão Preto e São José do Rio Preto. Os interessados devem ser operadores menores e nacionais, devido ao desenho do projeto, voltado à aviação regional — avalia Lucas Sant’Anna, sócio do escritório Machado Meyer.

Sant’Anna salienta que operadores logísticos também podem ter interesse em participar do projeto.

— A exploração de receitas acessórias, como o aluguel de hangares e estacionamentos, além da possibilidade de desenvolver projetos imobiliários nas áreas dos aeroportos, é que dão atratividade ao leilão — diz Rodrigo Campos, sócio do escritório Porto Lauand.

Segundo ele, a Voa-SP, atual concessionária de cinco aeroportos regionais paulistas concedidos em 2016, pode ser também uma das interessadas.

— O projeto atual é bastante parecido ao que eles já administram.

A demanda retraída em meio à pandemia não é necessariamente um problema se as projeções de demanda do governo paulista estiverem corretas, na avaliação do advogado Luís Felipe Valerim, professor da FGV Direito e sócio do escritório XVV.

— O governo modulou as projeções de demanda em razão da pandemia, que é crítica para o momento atual da aviação, mas não para o projeto. Uma vez que a retomada da demanda por voos domésticos é mais rápida, especialmente na aviação de negócios — afirma.

A população adensada das maiores cidades do interior paulista e o PIB elevado dos municípios podem contar a favor do projeto, segundo ele, mas é preciso que o investidor aposte na realização do potencial da aviação regional.

— Faz sentido esses aeroportos serem bons ativos, há um potencial histórico para o desenvolvimento da aviação regional, embora ele até hoje não tenha se concretizado — diz Valerim.

Matéria atualizada às 11h45 para correção do valor total investido. Investimento total previsto é de R$ 447 Milhões, diferentemente dos R$ 447 bilhões citados anteriormente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também