São Paulo inicia nesta segunda rodízio 24 horas; saiba as regras

Profissionais de saúde devem fazer um cadastro na Prefeitura para ficarem fora da medida de restrição de circulação
Rodízio mais restritivo será válido inclusive aos finais de semana e feriados (Levi Bianco/Getty Images)
Rodízio mais restritivo será válido inclusive aos finais de semana e feriados (Levi Bianco/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 11/05/2020 às 07:44.

Última atualização em 11/05/2020 às 17:26.

Na tentativa de aumentar a taxa de isolamento social e restringir a circulação de pessoas em São Paulo, o rodízio municipal de veículos, suspenso desde o início da pandemia de coronavírus, será retomado na capital e atingirá 50% da frota, diariamente, a partir desta segunda-feira, 11. A medida também vai valer para todo o Município, e não apenas para o centro expandido, o dia todo, incluindo fins de semana. Nos dias pares, circulam placas de final par (0,2,4,6 e 8). E nos dias ímpares, as placas de final ímpar (1,3,5,7 e 9).

Estão excluídos do rodízio carros da polícia, do Exército, prestadores de serviço de rede elétrica e de gás, e também veículos da área da saúde.

Os profissionais de saúde devem fazer um cadastro na Prefeitura para ficarem fora da medida de restrição de circulação.

O cadastro terá de ser feito nesta semana, por meio de envio de dados como CPF, nome, estabelecimento em que trabalha o profissional e a placa do veículo. As multas que forem aplicadas nos próximos dez dias a esses profissionais serão descartadas posteriormente.

Os profissionais devem enviar e-mail para o endereço eletrônico: isencao.covid19@prefeitura.sp.gov.br.

Os veículos de pessoas com deficiência, condutoras ou não-condutoras, que já têm autorização da Prefeitura e estão isentos do rodízio de carros na cidade de São Paulo, continuam liberados para circulação em qualquer dia. Haverá também o retorno da restrição à circulação de caminhões em São Paulo, exceto os das áreas de abastecimento e saúde.

Questionado sobre possível lockdown na cidade, o bloqueio o total, o prefeito afirmou no domingo ser a última opção, mas sua equipe discute alternativas diariamente para fazer com que o isolamento social volte a ser respeitado pela população.

O atual índice de isolamento da cidade é de 48%. "Se as pessoas voltarem a respeitar ficar dentro de casa, para voltarmos ao índice de isolamento social de 55%, 60%, a curva vai achatando. Esperamos que as pessoas se conscientizem, agora também com a multa de rodízio."

Em entrevista à GloboNews, Covas ainda reiterou que a cidade continua a buscar a iniciativa privada para aumentar o número de leitos de UTI. Foram acrescentados recentemente 750 leitos e a intenção é ter mais 1,5 mil leitos até fim de maio. "Estamos em parceria com sete hospitais privados para ofertar leitos para o SUS (Sistema Único de Saúde). A ideia é conseguir mais 800 leitos em parceria com o setor privado. Infelizmente, chegamos a 85% de ocupação dos leitos de UTI e estamos correndo para não ter aqui a mesma situação de (colapso) outros países", disse.

Baixo isolamento

O Estado de São Paulo registrou uma taxa de isolamento social de apenas 50% neste sábado, índice mais baixo para este dia da semana desde que a quarentena foi implementada, em março.

A taxa de isolamento social costuma subir em fins de semana, mas o índice vem caindo e ficando abaixo dos 50% em dias de semana, o que acendeu um sinal de alerta no governo paulista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.