• AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
  • AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
Abra sua conta no BTG

São Paulo é a melhor cidade para investir no ramo imobiliário no país

A pandemia paralisou a venda de imóveis, mas o baque foi temporário. Saiba quais são as 100 melhores cidades no país para ter negócios imobiliários
Área residencial em São Paulo: em outubro, 5.542 novos imóveis foram comercializados na cidade, um aumento de 38% em relação ao mesmo mês do ano anterior (Exame/Leandro Fonseca)
Área residencial em São Paulo: em outubro, 5.542 novos imóveis foram comercializados na cidade, um aumento de 38% em relação ao mesmo mês do ano anterior (Exame/Leandro Fonseca)
Por Fabiane StefanoPublicado em 06/12/2020 13:39 | Última atualização em 06/12/2020 13:39Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Os sinais eram animadores no começo de 2020. Após seguidos períodos de crise, a perspectiva era de recuperação para o mercado imobiliário no Brasil. Aí veio a pandemia e o número de lançamentos despencou no começo do segundo trimestre. Mas o baque foi temporário. A adesão ao home office na quarentena obrigou as famílias a repensar o espaço doméstico, no qual era preciso comportar também o trabalho remoto.

1 milhão de pessoas investem em fundos imobiliários. Ainda vale a pena entrar nesse mercado? Descubra com a EXAME Academy

Com o mercado mais dinâmico do país, a cidade de São Paulo ficou em primeiro lugar no raking de mercado imobiliário elaborado pela Urban Systems, que analisa oito indicadores, entre eles, geração de empregos no setor e demanda por novos domicílios nas cidades com mais 100 mil habitantes.

“Em setembro, vimos uma explosão na demanda residencial na capital. Dos imóveis de luxo aos da classe média, o mercado está se movimentando”, diz Marcelo Pessoa, presidente da Locke Engenharia, que começa 2021 com nove empreendimentos em construção.

Em outubro, 5.542 novos imóveis foram comercializados, um aumento de 38% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Os juros em seu patamar mais baixo no país têm incentivado o investimento no setor imobiliário da cidade, onde falta moradia.

Estima-se haver uma demanda de 200.000 novos domicílios para famílias com renda de até 4.000 reais. Outras 150.000 unidades para aquelas com renda superior a esse valor na capital paulista.

O estado de São Paulo é o que concentra o maior número de cidades para fazer negócios no ramo imobiliário, seguido do Paraná.

Por outro lado, as mudanças de comportamento geradas pela pandemia têm afetado o mercado corporativo, no qual há escritórios sendo devolvidos e alta taxa de vacância nas torres comerciais.

“Há muitas inovações no espaço urbano que devem sair da pandemia. Edifícios com estacionamentos vazios podem ser direcionados para atividades mais produtivas e inovadoras”, diz Tomas Alvim, coordenador do Laboratório Arq Futuro de Cidades do Insper.

Veja abaixo as 100 melhores cidades para investir em negócios do setor imobiliário no Brasil:

 

Made with Flourish