Sancionada lei com mudanças na Lei de Diretrizes Orçamentárias 2022

A nova lei e os vetos encaminhados ao Congresso estão publicados no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira
Bolsonaro: texto também proíbe a realização de atos de gestão orçamentária, financeira e patrimonial (Andressa Anholete/Getty Images)
Bolsonaro: texto também proíbe a realização de atos de gestão orçamentária, financeira e patrimonial (Andressa Anholete/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 05/08/2022 às 10:20.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou lei que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022. Dentre as mudanças, a norma permite que, excepcionalmente, no caso de desistência do credor original ou de rescisão contratual, a liquidação de restos a pagar não processados seja feita em favor de credor diferente do indicado na respectiva nota de empenho.

O texto também proíbe a realização de atos de gestão orçamentária, financeira e patrimonial, no âmbito do Siafi, após 31 de dezembro de 2022, relativos ao exercício encerrado, "exceto quanto aos procedimentos relacionados à inscrição dos restos a pagar e aos ajustes de registros contábeis patrimoniais para fins de elaboração das demonstrações contábeis".

A lei sancionada teve vetos. Um deles refere-se ao dispositivo que possibilitava a liquidação e o pagamento de restos a pagar não processados em fonte de recurso diversa daquela originalmente prevista na respectiva Lei Orçamentária Anual. Também foi rejeitado trecho que tratava da Política Nacional de Mobilidade Urbana, porque, segundo o governo, "não guarda compatibilidade com o conteúdo da Lei de Diretrizes Orçamentárias".

A nova lei e os vetos encaminhados ao Congresso estão publicados no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (5).

Veja também: 

Após convenções, Lula fecha com oito partidos; Bolsonaro reúne três siglas

Eleições 2022: Prazo para realização de convenções partidárias acaba hoje