• AALR3 R$ 20,07 -0.50
  • AAPL34 R$ 68,42 1.57
  • ABCB4 R$ 16,66 0.85
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,78 5.88
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,44 0.83
  • ALPA4 R$ 22,17 4.13
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,50 -2.11
  • AMAR3 R$ 2,59 1.97
  • AMBP3 R$ 32,35 4.05
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,38 3.55
  • ANIM3 R$ 5,55 1.46
  • ARZZ3 R$ 81,27 2.28
  • ASAI3 R$ 16,09 2.35
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,41 4.20
  • BBAS3 R$ 37,46 -0.29
  • AALR3 R$ 20,07 -0.50
  • AAPL34 R$ 68,42 1.57
  • ABCB4 R$ 16,66 0.85
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,78 5.88
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,44 0.83
  • ALPA4 R$ 22,17 4.13
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,50 -2.11
  • AMAR3 R$ 2,59 1.97
  • AMBP3 R$ 32,35 4.05
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,38 3.55
  • ANIM3 R$ 5,55 1.46
  • ARZZ3 R$ 81,27 2.28
  • ASAI3 R$ 16,09 2.35
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,41 4.20
  • BBAS3 R$ 37,46 -0.29
Abra sua conta no BTG

Quem é Ricardo Nunes, vice de Covas que agora assume a prefeitura de SP

Bruno Covas faleceu neste domingo, 16, vítima de câncer, aos 41 anos. Desde a sexta-feira o quadro já era considerado "irreversível"
 (Divulgação/Divulvação)
(Divulgação/Divulvação)
Por Da RedaçãoPublicado em 14/05/2021 20:48 | Última atualização em 16/05/2021 10:23Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Na manhã deste domingo (16), morreu o prefeito Bruno Covas, aos 41, vítima de um câncer contra o qual lutava desde 2019. Covas estava internado no Sírio Libanês desde o dia 2 de maio, mesmo dia que pediu licença do cargo de prefeito. Desde então, a cadeira de prefeito da maior cidade do país foi ocupada pelo vice de Covas, Ricardo Nunes.

Ricardo Nunes tem 53 anos, é advogado, empresário e filiado ao MDB. Foi vereador em São Paulo por duas vezes (eleito em 2012 e 2016) antes de chegar ao cargo de vice-prefeito de Bruno Covas (PSDB). Tem ligações fortes com a Igreja Católica — enquanto vereador, trabalhou para regularizar templos religiosos — além de empresários. Na sua atividade na Câmara de Vereadores, foi participante de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI), como a dos bancos, que investigava a sonegação de impostos.

Sua candidatura a vice-prefeito está ligada à coalizão entre PSDB, MDB e DEM, em uma articulação política do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para, eventualmente, conseguir o apoio do MDB em 2022.

Durante a campanha de Covas, acusações de violência doméstica vieram à tona em reportagem publicada pela Folha de S. Paulo, que foram posteriormente desmentidas por ele e pela esposa, além de possíveis ligações com a "máfia das creches", também expostas pelo mesmo jornal. Antes disso, ganhou notoriedade na mídia por ser ativamente contra a inclusão de temas de sexualidade e gênero no Plano de Educação da capital paulista.

Apesar dos questionamentos envolvendo ambos os temas durante o período eleitoral, Nunes chegou ao cargo com um perfil discreto e tem suas aparições públicas ligadas somente aos períodos em que Bruno Covas esteve ausente.

Câncer

O prefeito descobriu o câncer durante uma investigação médica iniciada em 2019, após o surgimento de uma trombose. A doença já tinha sinais de avanço: havia um tumor no fígado, outro na cárdia (o ponto de ligação entre o esôfago e o estômago) e outro em gânglios linfáticos. O primeiro tratamento fez com que dois desses tumores desaparecessem. 

Em janeiro, o prefeito de SP já havia ficado dez dias afastado do cargo para dar continuidade ao tratamento do câncer diagnosticado em 2019. No lugar de Covas, o vice Ricardo Nunes (MDB) assumiu o cargo interinamente.

Neste ano, entretanto, o tumor remanecente, do fígado, teve nova metástase e se espalhou por cinco pontos dentro do órgão. Os médicos ainda descobriram novos tumores nos ossos, razão pela qual o tratamento passou a usar tanto a quimioterapia quanto a imunoterapia, procedimento que pretende fortalecer o sistema de defesa do corpo do prefeito. Nesta sexta-feira, 14, o Hospital Sírio-Libanês emitiu um boletim médico em que diz que o estado de saúde do prefeito é considerado "irreversível".

Na véspera da última alta, no dia 26 de março, o prefeito de São Paulo declarou que continuava a "luta pela vida" em um post que tinha como foco seu filho de 15 anos, Tomás. 

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.