A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Reforma do IR segue para o Senado. O que pode mudar?

Detalhes podem ser alterados pelos senadores, mas pontos principais, como a redução no Imposto de Renda de empresas e a taxação de dividendos, devem ser mantidos

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

Após mais de dois meses de tramitação, a Câmara aprovou a reforma do Imposto de Renda nesta quinta-feira, 2, com mudança na taxação sobre dividendos, que passou de 20% para 15%. O texto, que agora segue para avaliação do Senado, ainda pode sofrer novas alterações. Os pontos principais, no entanto, devem ser mantidos.

A redução no Imposto de Renda de empresas é um dos alicerces da proposta. Os deputados resolveram diminuir a alíquota do IRPJ dos atuais 25% para 18%. O que pode ser alterado pelos senadores é o tamanho do corte, que até mesmo na Câmara sofreu várias modificações antes de ser aprovado no patamar definido.

A proposta inicial do relator, Celso Sabino (PSDB-PA), era de reduzir a cobrança para 12,5%, mas deputados apontaram que a perda de arrecadação dos estados seria muito grande. Esse foi um dos grandes embates da reforma. Por isso, ao longo da discussão, ficou definido que ele reduziria o tamanho do corte.

Em contrapartida às mudanças feitas para beneficiar as empresas, a proposta cria uma cobrança de 15% sobre a distribuição de dividendos. Micro e pequenas empresas do Simples e do lucro presumido, com faturamento até 4,8 milhões de reais, ficarão isentas do pagamento. 

O valor da taxação sobre dividendos também será alvo de discussão, como foi na Câmara. A versão votada no plenário previa uma alíquota de 20%, mas ela foi reduzida por acordo durante a votação dos destaques, que são sugestões de alteração no texto-base já aprovado. A oposição, no entanto, considera que o valor ficou abaixo do esperado.

Outra medida incluída no texto para compensar a perda de arrecadação com o corte no IRPJ foi redução de benefícios fiscais, como isenção de IR sobre auxílio-moradia de agentes públicos, redução a zero de alíquotas de certos produtos químicos e farmacêuticos e crédito presumido a produtores e importadores de medicamentos.

O benefício fiscal para embarcações e aeronaves foi mantido na última versão do texto. "De fato, o ganho que seria obtido a partir dessas revogações seria ínfimo para a proposta, ao passo que poderia trazer consequências negativas às regiões altamente dependentes do transporte hidroviário", diz o parecer.

Antes da votação, Sabino retirou do texto todas as restrições feitas anteriormente à declaração simplificada do IR de pessoas físicas. A ideia inicial do governo era permitir a declaração simplificada apenas para pessoas com renda de até 40 mil reais, o que foi cortado do parecer. Essa discussão, já acordada, não deve vir à tona no Senado.

"Fixamos o valor máximo de R$ 10.563,60 para ser utilizado pelo referido desconto, tendo em vista que é o valor que garante que nenhum cidadão pagará mais imposto de renda do que lhe é cobrado atualmente", diz o parecer de Celso Sabino.

Sabino também decidiu manter o fim dos Juros de Capital Próprio (JCP), mecanismo que grandes empresas usam para remunerar acionistas, podendo deduzir a despesa do imposto. A mudança nesse ponto também veio de acordo entre os deputados. Embora ele possa ser reavaliado pelos senadores, a tendência é que seja mantido como passou na Câmara.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), disse aos deputados que o governo se comprometeu a não vetar, na sanção, o dispositivo que acaba com os Juros sobre Capital Próprio e o que cria tributação sobre dividendos. “Se houver veto por alegações jurídica, faremos acordo para derrubar o veto posteriormente”, garantiu.

O texto também amplia a faixa de isenção do IR de pessoas físicas, que passará de 1.903,98 reais para 2.500 reais. Quem ganha até esse valor não precisará pagar o Imposto de Renda. Esse ponto não mudou ao longo das discussões recentes na Câmara e também não deve mudar no Senado.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também