Quarentena em SP: escolas ficam abertas, focadas em alunos mais vulneráveis

Pais e instituições de ensino têm autonomia para decidir se os alunos precisam de algum atendimento presencial
 (Divulgação/Divulgação)
(Divulgação/Divulgação)
G
Gilson Garrett JrPublicado em 03/03/2021 às 14:55.

A partir de sábado, 6, todo o estado de São Paulo entra na fase mais restrita da quarentena, em que somente serviços essenciais são permitidos. Apesar disso, as escolas, tanto públicas quanto privadas, permanecem abertas. A rede estadual vai manter o ensino remoto, como já vinha ocorrendo. Pais e instituições de ensino têm autonomia para decidir se os alunos precisam de algum atendimento presencial.

Segundo o secretário de estado da Educação, Rossieli Soares, nas próximas duas semanas a presença não é obrigatória e a orientação é para priorizar alunos mais vulneráveis, como aqueles sem acesso à internet, que necessitam de alimentação escolar, ou com responsáveis em trabalhos essenciais.

“As escolas permanecem abertas. Obviamente com todos os cuidados e focadas nas pessoas que mais precisam. A escola é a última a fechar. Aprendemos muito na pandemia e sabemos que tem pessoas que necessitam. Para aqueles alunos que conseguem fazer ensino à distância, permaneçam assim”, disse Rossieli em entrevista coletiva nesta quarta-feira, 3.

Ainda de acordo com o secretário, o transporte escolar será mantido. Para as unidades que estiverem abertas, é necessário seguir protocolos de segurança, como distanciamento de 1,5 metro entre os alunos, presença máxima de 35%, e uso obrigatório de máscara durante todo o período em que estiver na escola (veja abaixo).

No ensino superior, as aulas ficam 100% presenciais somente nos cursos de medicina, farmácia, enfermagem, fisioterapia, odontologia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, nutrição, psicologia, obstetrícia, gerontologia e biomedicina. Nos demais, só podem ser realizadas em formato virtual.

Especialistas em saúde ouvidos por EXAME dizem que neste momento, pelo alto número de internações em leitos de UTI e rápida transmissão da doença, o recomendado seria o fechamento das escolas, justamente para frear qualquer tipo de contato.

Abre e fecha de escolas pelo mundo

Ao redor do mundo, vários países adotaram a estratégia de fechar as escolas assim que os primeiros casos de covid-19 foram registrados. Nesta segunda onda, o modelo mais difundido foi o híbrido, com parte de aulas presenciais e parte de forma remota.

A França, por exemplo, fechou bares e restaurantes no começo de janeiro, mas manteve as escolas em funcionamento. O Reino Unido foi na direção oposta e decidiu fechar as escolas, também em janeiro. A previsão é começar a reabertura na próxima semana, mas as novas variantes deixam incerta a decisão.

O país mais rico da Europa, a Alemanha, também fechou as escolas nesta segunda onda de covid-19. Desde a semana passada, começou um processo de reabertura, com a educação primária. As regras sanitárias variam de acordo com a região, algumas adotam o uso obrigatório de máscara e outras não.

Na China, os alunos são testados e podem ficar sem máscara dentro de sala de aula. Caso tenham algum sintoma, é recomendado uma quarentena de pelo menos 10 dias.

Regras sanitárias nas escolas em SP

  1. Obrigatoriedade de aferição de temperatura antes de ingressar na unidade escolar
  2. Higienização frequente das mãos com água e sabão e/ou álcool em gel
  3. Obrigatoriedade de uso de máscara durante todo o período de permanência no espaço escolar
  4. Horários de entrada, saída e recreios devem ser organizados para evitar aglomeração
  5. Distanciamento de 1,5 metro entre as pessoas dentro da unidade escolar
  6. A ventilação adequada de todos os espaços escolares deve ser assegurada e portas e janelas mantidas abertas
  7. Higienização constantemente os espaços utilizados por alunos e equipes escolares
  8. Restrição a interações que envolvam contato físico entre as pessoas
  9. Presença máxima de estudantes deve ser de até 35% das matrículas
  10. Pessoas com sintomas de covid-19 não devem comparecer às unidades escolares sob nenhuma circunstância