PT volta a ter maioria de votos após 8 anos; PSDB sofre revés histórico em SP

Além de recolocar o PT na dianteira, a votação deste ano também foi recordista em votos angariados para a legenda
Lula: PT volta a ter maioria de votos após 8 anos (Rodrigo Paiva/Getty Images)
Lula: PT volta a ter maioria de votos após 8 anos (Rodrigo Paiva/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 06/10/2022 às 09:02.

Última atualização em 06/10/2022 às 09:02.

As eleições deste ano foram marcadas por movimentos opostos dos dois partidos que costumavam protagonizar a polarização no País. Enquanto o PT - com a ida de Luiz Inácio Lula da Silva para o segundo turno - voltou a ter maioria de votos em uma corrida presidencial após oito anos, o PSDB - com a derrota de Rodrigo Garcia em São Paulo - perdeu, pela primeira vez em quase 30 anos seu principal território.

O PT voltou a liderar em votos depois de oito anos e repetiu o desempenho eleitoral de 2000 e 2010, com Lula e Dilma Rousseff, respectivamente. Além de recolocar o partido na dianteira, a votação deste ano também foi recordista em votos angariados para a legenda. Em 2010, 47 milhões de eleitores escolheram Dilma.

Republicanos

Apesar do bom desempenho nacional, o PT pode enfrentar um segundo turno difícil na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes. O petista Fernando Haddad chega para disputa com 1,5 milhão de votos a menos que seu adversário, Tarcísio de Freitas (Republicanos).

O ex-ministro da Infraestrutura de Jair Bolsonaro (PL) teve mais de 50% dos votos válidos em 182 municípios de São Paulo, totalizando 42,32% em todo o Estado.

LEIA TAMBÉM: 

Fim da hegemonia

A eleição em São Paulo foi outro marco da disputa deste ano. Candidato à reeleição, Garcia não deslanchou e viu Tarcísio e Haddad avançarem para o segundo turno da corrida pelo Palácio dos Bandeirantes.

O PSDB teve mais de 50% dos votos em apenas duas cidades do Estado: Mirassolândia (51,84%) e Trabiju (56,86%) - no primeiro turno de 2018, foram 15 municípios. Na eleição passada, ainda que não tivesse maioria, o partido conseguiu segurar a vitória no segundo turno. Neste ano, no entanto, a sigla tucana recebeu apenas 18% dos votos válidos.