Brasil

Protesto em Belém levanta bandeira contra reforma administrativa

Cerca de 7 mil pessoas compareceram a atos na capital do Pará, contra Bolsonaro e pautas do governo; movimento contou com a participação de sindicatos e partidos

Protesto em Belém neste sábado, 2, é contra a reforma administrativa e políticas de governo (DOUGLAS SHINEIDR/AFP via Getty Images/Getty Images)

Protesto em Belém neste sábado, 2, é contra a reforma administrativa e políticas de governo (DOUGLAS SHINEIDR/AFP via Getty Images/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 2 de outubro de 2021 às 14h54.

O ato em Belém, no Pará, reuniu milhares de pessoas nas ruas do centro da cidade na manhã deste sábado, 2. A concentração ocorreu no Mercado de São Brás, às 8h, de onde os militantes seguiram em marcha rumo à Praça da República. Uma faixa com 60 metros de extensão e os dizeres “Pela Amazônia, Educação Pública e SUS: Não a Reforma Administrativa”, confeccionada pelos sindicatos ADUFPA, Sinditifes e Sinasefe, foi estendida ao longo da Avenida José Malcher, que ficou tomada pelos manifestantes.

  • Entenda como as decisões do Planalto, da Câmara e do Senado afetam seus investimentos. Assine a EXAME

O protesto deste sábado teve participação expressiva do público, em comparação com as edições anteriores. Segundo estimativa dos órgãos de segurança pública, cerca de 7 mil pessoas compareceram ao ato. Além de exigir o cancelamento da reforma administrativa, representantes de centrais sindicais, movimentos sociais e partidos da esquerda reafirmaram seu posicionamento contra o presidente Jair Bolsonaro.


“As pessoas estão numa situação de fome, de miséria e não tem como seguir com um presidente que não prioriza o trabalhador a trabalhadora, pelo contrário, quer que o trabalhador pague por essa crise, quer aprovar a PEC 32, que acaba com os direitos do trabalhador e com os serviços públicos. Esse 2 de outubro é uma data importante, pois mostra a unidade das forças contra o governo Bolsonaro”, disse a vice-líder do PSOL, deputada Vivi Reis.

Apesar da aglomeração, a maioria dos manifestantes usava máscaras. Também foi possível observar a distribuição dos equipamentos e, a todo o momento, organizadores do ato alertavam para a necessidade de manter as medidas de segurança contra a covid-19.

Além de Belém, foram realizados no Estado atos nos municípios de Ananindeua, Altamira, Bragança e Santarém.

Acompanhe tudo sobre:BelémJair BolsonaroProtestosReforma Administrativa

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

Mais na Exame