Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Procuradoria quer barrar licitação de R$ 11 milhões no MS

MP recomendou suspensão imediata de licitação de R$ 11 milhões para transporte escolar rural por suspeita de fraude

Modo escuro


	Vans de transporte escolar: para procuradoria, há fortes indícios de fraudes na licitação em Campo Grande (MS)
 (Marcelo Camargo/ABr/Agência Brasil)

Vans de transporte escolar: para procuradoria, há fortes indícios de fraudes na licitação em Campo Grande (MS) (Marcelo Camargo/ABr/Agência Brasil)

J
Julia Affonso

Publicado em 6 de junho de 2016 às, 09h00.

São Paulo - O Ministério Público Federal, em Mato Grosso do Sul, recomendou à Prefeitura de Campo Grande a suspensão imediata da contratação das empresas vencedoras de uma licitação de transporte escolar de 2.200 alunos da zona rural do município.

Para a Procuradoria, há fortes indícios de fraude na licitação de R$ 11 milhões.

Investigação do Ministério Público Federal aponta que ao menos uma empresa usou certidões falsas da Secretaria de Estado e Fazenda do Mato Grosso do Sul (Sefaz-MS) e da Procuradoria da Fazenda Nacional (PFN).

De acordo com a recomendação a licitação deve permanecer suspensa até a revisão da documentação apresentada pelas 14 empresas vencedoras.

"Houve ainda casos em que empresas não apresentaram documentação que ateste regularidade fiscal junto à SEFAZ e à PFN. Estas empresas venceram no total 20 itens da licitação, o que significa que seriam responsáveis pelo atendimento de 20 linhas de transporte escolar", sustenta a Procuradoria em nota divulgada em seu site.

A Procuradoria quer que a prefeitura apure se "houve participação de agentes públicos nas irregularidades, responsabilizando-os por virtuais irregularidades".

O prefeito Alcides Bernal (PP), o secretário de Administração Ricardo Ballock e a secretária de Educação Leila Machado têm dez dias, a partir do recebimento da recomendação, para responder com as providências adotadas.

Caso não sejam adotadas as medidas recomendadas, o Ministério Público Federal informa que poderá recorrer à Justiça.

A falsificação e uso de documento falso é crime previsto no Código Penal Brasileiro, com pena de reclusão de 2 a 6 anos e multa.

A apresentação das certidões negativas de débitos fiscais e trabalhistas são imprescindíveis para a habilitação dos interessados em qualquer licitação pública.

Defesas

"A comissão de licitação já está respondendo ao Ministério Público Federal e apresentando toda a documentação necessária para provar que não há ilicitude no processo", disse, por meio de nota, a prefeitura de Campo Grande.

Últimas Notícias

ver mais
Sindicatos do Metrô, CPTM e Sabesp suspendem greve e prometem seguir mobilizados contra privatização
Brasil

Sindicatos do Metrô, CPTM e Sabesp suspendem greve e prometem seguir mobilizados contra privatização

Há 9 horas
STF determina que União e Estados apresentem planos para pôr fim a violações em presídios
Brasil

STF determina que União e Estados apresentem planos para pôr fim a violações em presídios

Há 10 horas
Greve na CPTM: Justiça aumenta para R$ 1,5 milhão multas para sindicatos
Brasil

Greve na CPTM: Justiça aumenta para R$ 1,5 milhão multas para sindicatos

Há 10 horas
STF decide que servidor aposentado antes de 2008 pode ter reajuste por índice do INSS
Brasil

STF decide que servidor aposentado antes de 2008 pode ter reajuste por índice do INSS

Há 12 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais