Presidente de comissão quer relatório da reforma tributária até outubro

Segundo o senador Roberto Rocha, a proposta do Executivo pode ser unida às que tramitam no Congresso. Paulo Guedes será ouvido em 4 de agosto

O presidente da comissão mista do Congresso que trata da reforma tributária, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), disse que pretende aprovar o relatório no colegiado na primeira quinzena de outubro.

Segundo ele, os parlamentares vão anexar o projeto do governo sobre a unificação das contribuições para o PIS/Cofins às propostas que tramitam nas duas Casas para fazer uma ampla reforma no sistema tributário brasileiro.

A comissão será reinstalada na próxima quinta-feira e, de acordo com o plano de trabalho definido antes da pandemia, quando as sessões foram suspensas, o primeiro a participar da audiência será o ministro da Economia, Paulo Guedes, no dia 4 de agosto.

A estratégia é aprofundar o debate no mês de agosto e início de setembro e caminhar para o fechamento de um texto com os temas que forem de consenso. "O que não for de consenso será retirado ou definido no voto", disse Rocha.

Em relação a um dos temas mais polêmicos, o novo imposto digital em moldes semelhantes à CPMF que o governo quer criar, ele defende que seja cobrado apenas das empresas, deixando isentas pessoas físicas.

O relator da reforma na comissão mista, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que embora o Executivo só tenha enviado o projeto de unificação do PIS/Cofins, já tem conhecimento sobre o restante do pacote tributário do governo, com exceção no novo imposto para compensar a desoneração da folha e o programa Renda Brasil."Nós já estamos trabalhando e acho possível aprovar o relatório até outubro. Há consenso entre os estados e a maioria dos municípios", disse Ribeiro, acrescentando que pretende negociar com municípios grandes como São Paulo, por exemplo, que teme perda na arrecadação com o ISS (Imposto Sobre Serviços).

Já o sub-relator da reforma na comissão, senador Major Olímpio (PSL-SP), disse que, dificilmente, a proposta será aprovada neste ano por causa da complexidade do tema, proximidade das eleições e da própria pandemia, que exige sessões remotas, desfavoráveis a um amplo entendimento. "A comissão vai retomar os trabalhos na próxima semana, mas não acredito em grandes avanços neste ano", disse o senador.

Neste caso, disse, a tendência é o Congresso derrubar o veto à ampliação da desoneração da folha de 17 setores intensivos em mão de obra para dezembro de 2021.

O benefício está previsto para acabar no fim deste ano, o que vai elevar o custo para o setor de serviços, que emprega um universo de cinco milhões de trabalhadores.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.