Presidente da CPI recebeu doações de empresas acusadas

O relator também recebeu dinheiro de companhias investigadas

Brasília - Os deputados escolhidos para comandar a nova CPI da Petrobras receberam doações para suas campanhas de empresas suspeitas de integrar o esquema de desvios na estatal.

O futuro presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), teve 60% de sua última campanha bancada com recursos dessas empresas.

Já o futuro relator indicado pelo PT, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ) teve 39,6% da receita de sua campanha proveniente da doação de empresas que estão sob a investigação da Lava Jato.

Motta recebeu R$ 451 mil da Andrade Gutierrez e da Odebrecht. Sérgio recebeu R$ 962,5 mil das empresas Queiroz Galvão, OAS, Toyo Setal e UTC.

A assessoria de Motta informou que as doações recebidas foram de forma indireta, por meio de repasses feitos pelo PMDB, e que ele não tem ligação com a captação de recursos ou com representantes das empresas.

A assessoria de Sérgio afirmou que o deputado só vai se pronunciar sobre o assunto após ser confirmado como relator da CPI, que deve ser instalada no Congresso nos próximos dias.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.