Prefeitura de SP suspende aulas presenciais em toda rede de ensino por duas semanas

A suspensão de aulas presenciais na rede municipal e privada na cidade de São Paulo começa a partir da próxima quarta-feira, dia 17

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, anunciou nesta sexta-feira 12, a suspensão de aulas presenciais na rede municipal e privada na cidade de São Paulo a partir da próxima quarta-feira, dia 17. A rede estadual anunciou ontem que adiantará o recesso para os próximos 15 dias por causa da atual situação da pandemia.

A suspensão, antecipada pelo Estadão, vale até o dia 1º de abril. O anúncio da Prefeitura ocorre após restrições determinadas pelo governo do Estado para conter a disseminação do coronavírus. Segundo o prefeito Bruno Covas (PSDB), a medida se faz necessária para conter o avanço do coronavírus na cidade. O prefeito também anunciou a abertura de 555 leitos de UTI e enfermaria na cidade.

A Prefeitura anunciou ainda dados de testes realizados na população. Os dados indicam 25% de prevalência do vírus. Ou seja um quarto da população na cidade de São Paulo já teve contato com o vírus. Em relação à faixa etária, os adultos de 18 a 34 anos apresentam hoje a maior prevalência na cidade. O jovem adulto se contamina mais e há aumento significativo de internações nessa faixa etária.

Neste ano, Covas mudou o secretário de Educação e colocou no cargo Fernando Padula, com experiência de anos na administração da rede estadual e amigo do prefeito. Padula é um defensor das escolas abertas e durante as negociações demonstrou sua preocupação em um fechamento prolongado da rede.

As escolas municipais hoje têm cerca de 1 milhão de alunos, em creches, escolas de educação infantil, fundamental e pouquíssimas de ensino médio. É a maior rede municipal do País. Este mês, o sindicato dos professores decretou greve, se dizendo contra a volta presencial. Mesmo assim, muitas escolas reabriram e funcionavam até esta sexta-feira.

Nesta quinta-feira, 11, o governador João Doria (PSDB) determinou o início do que chamou de "fase emergencial", a partir de segunda-feira, dia 15, ainda mais restritiva do que a fase vermelha. Todo o Estado, incluindo a capital, deve seguir as diretrizes da fase emergencial. Escolas municipais e particulares, no entanto, continuam com aval para abrir mesmo na fase emergencial. Prefeitos podem ser mais restritivos e determinar o fechamento das instituições de ensino.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também