Prefeito petista é afastado em operação da PF em RO

Segundo a PF, as investigações indicam que a organização criminosa formada por servidores públicos favoreceu empresas ao longo dos últimos oito anos em licitações

	O prefeito de Porto Velho, Roberto Sobrinho: a PF cumpriu mandados de prisão preventiva e temporária contra 18 pessoas, entre elas três secretários municipais
 (Elza Fiúza/ABr)
O prefeito de Porto Velho, Roberto Sobrinho: a PF cumpriu mandados de prisão preventiva e temporária contra 18 pessoas, entre elas três secretários municipais (Elza Fiúza/ABr)
Q
Quetila RuizPublicado em 07/12/2012 às 09:10.

Porto Velho - O prefeito de Porto Velho (RO), Roberto Sobrinho (PT), foi afastado nesta quinta-feira (6) do cargo durante operação da Polícia Federal, que desarticulou um grupo suspeito de desviar recursos públicos por meio de fraudes em licitações.

A PF cumpriu mandados de prisão preventiva e temporária - com prazo inicial de cinco dias - contra 18 pessoas, entre elas três secretários municipais, a chefe de gabinete do prefeito, empresários e servidores.

A Operação Vórtice cumpriu ainda 31 mandados de busca e apreensão, outros 21 mandados de afastamento de cargo público e 22 mandados de indisponibilidade de bens dos investigados.

Segundo a PF, as investigações indicam que a organização criminosa formada por servidores públicos favoreceu empresas ao longo dos últimos oito anos em licitações cujos contratos somam R$ 100 milhões. Um inquérito foi instaurado no início do ano.


De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público ficou constatado que o esquema envolvia pessoas tidas como "laranjas".

Foram detectadas fraudes nas secretarias municipais da Administração, de Serviços Básicos, Obras, Agricultura, na Procuradoria-Geral do Município e na Controladoria-Geral do Município.

Os investigados responderão por diversos crimes: formação de quadrilha, crimes de responsabilidade, corrupção ativa e passiva, tráfico de influência, advocacia administrativa, falsidade ideológica, uso de documento falso, fraude às licitações, peculato, crimes tributários e lavagem de capitais.