Polícia Federal cumpre mandados autorizados pelo STF no Congresso

A operação tem como alvos o deputado federal Eduardo da Fonte e o senador Ciro Nogueira

Brasília - A Polícia Federal cumpriu na manhã desta terça-feira mandados de busca e apreensão na Câmara dos Deputados e no Senado, como parte de investigação relacionada à operação Lava Jato que tem entre os alvos o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), e o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) por suspeita de obstrução de Justiça, disse uma fonte com conhecimento da operação.

De acordo com a Procuradoria-Geral da República, a investigação tem como objetivo reunir provas de que os suspeitos, que não foram identificados pela PGR por se tratar de procedimento sigiloso, tentavam comprar o silêncio de um ex-assessor que tem colaborado com as investigações.

A PGR informou que foram cumpridos no total nove mandados, sendo oito de busca e apreensão e um de prisão preventiva -- este para um ex-deputado. Segundo a fonte que falou à Reuters sob condição de anonimado, o ex-parlamentar preso é Márcio Junqueira, de Roraima.

Agentes da PF chegaram no início da manhã aos gabinetes e aos apartamentos funcionais dos parlamentares investigados como parte da operação deflagrada pela PF em parceria com a PGR e autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

"Além dos gabinetes ocupados pelos parlamentares no Congresso Nacional e dos respectivos apartamentos funcionais, em Brasília, foram realizadas buscas em endereços residenciais na capital federal, em Teresina (PI), Recife (PE) e Boa Vista (RR). As ordens foram determinadas pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato do Supremo Tribunal Federal, após pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge", disse a PGR em nota.

A defesa do senador Ciro Nogueira disse, em nota, que acompanhou as buscas feitas nos endereços do parlamentar, e afirmou desconhecer as razões da determinação judicial.

"É certo que o senador sempre se colocou à disposição do Poder Judiciário, prestando depoimentos sempre que necessário e, inclusive, já foi alvo de busca e apreensão. Continuará a agir o senador como o principal interessado no esclarecimento dos fatos", disse a defesa, acrescentando que Ciro Nogueira está no exterior.

Juntamente com outros integrantes do partido, Ciro Nogueira e Eduardo da Fonte, que é ex-líder do PP na Câmara, já foram denunciados pelo ex-procurador geral da República Rodrigo Janot por suposta prática de associação criminosa.

O partido, que apoiou o governo Dilma Rousseff e passou a ser importante aliado do presidente Michel Temer, foi um dos que mais cresceram na janela partidária da Câmara e agora soma 51 deputados, segundo dados do site da Casa Legislativa.

Não foi possível fazer contato com representantes de Eduardo da Fonte.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.