Polícia entrará na Maré e entregará comando ao Exército

José Mariano Beltrame, secretário estadual de Segurança do RJ, disse que a polícia entrará no Complexo da Maré e, depois, passará o comando para o Exército

Rio de Janeiro - O secretário estadual de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, informou que a polícia do Rio irá entrar primeiro no Complexo da Maré, e depois, passará o comando para o Exército.

Ele explicou que antes do Exército ocupar o Complexo da Maré, haverá uma série de operações das polícias estaduais.

“Primeiro, entram as forças do estado e depois nós passamos essa área ao Exército. Depois da Garantia da Lei e da Ordem instalada, quem vai fazer a ocupação é o Exército. Nós vamos entrar antes, para fazer um trabalho de inteligência. Temos algumas ações a serem feitas lá. É fundamental que o estado entre lá mais uma vez”, disse, após reunião ocorrida hoje (24) entre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi, e o governador Sérgio Cabral, que estabeleceu as formas de atuação das Forças Armadas, sob o regime jurídico de Garantia da Lei e da Ordem, quando o comando do território passa para as forças federais.

De acordo com Beltrame, haverá colaboração da Polícia Federal, na área de inteligência, e da Polícia Rodoviária Federal, que fará um cerco em determinados lugares a serem definidos.

O secretário admitiu que parte do comando das ações contra as unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) partiram de presídios. “Parte sim, com a execução de quem está fora”.

O secretário reconheceu que a ocupação da Maré, que deveria ocorrer no futuro, só será possível agora com a ajuda do Exército.

“Entrar em qualquer lugar do Rio de Janeiro não é problema para a polícia. O problema é entrar e se manter nesses locais. A Maré, assim como era a Cruzeiro, a Rocinha, o São Carlos, é uma área dessas. Vamos fazer ocupação e depois vamos passar para o Exército, porque nós não temos, por enquanto, como ocupar toda a Maré. Lá não é um lugar simples. Nós pensávamos em colocar 1.500 homens. Nós faremos a ocupação e dali a uns dias a gente passa para o Exército.”

Ele classificou as operações contra o crime organizado, com o auxílio de tropas federais, como “a luta do bem contra o mal”.

“A resposta que nós temos que dar é exatamente essa. É a tomada de território, é o avanço do processo. É dizer que nós temos parceiros, que a nossa luta é do bem contra o mal, não a da civil, nem da militar, nem da federal. Dizer para o Brasil que nós somos mais fortes que essas facções”, declarou Beltrame, em entrevista coletiva no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC).

Beltrame disse que a intenção é tomar os territórios ocupados por traficantes de drogas, principalmente daqueles que têm ordenado ataques às UPPs.

“A nossa resposta para o tráfico é fazer eles perderem mais territórios. Não nos interessa a facção. Se eles continuarem reagindo dessa forma, nós vamos avançar cada vez mais, no sentido de mostrar para eles que nós somos mais fortes, que nós temos parceiros e que temos condição de avançar nesse processo.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.