Brasil

Polícia do RJ diz que tem condições para apurar morte de Marielle

O órgão federal ofereceu auxílio, mas segundo o chefe da Polícia Civil "a instituição tem todas as condições de resolver o caso"

Marielle: a vereadora foi assassinada na noite desta quarta-feira, no centro do Rio de Janeiro (Ricardo Moraes/Reuters)

Marielle: a vereadora foi assassinada na noite desta quarta-feira, no centro do Rio de Janeiro (Ricardo Moraes/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 15 de março de 2018 às 12h56.

Última atualização em 16 de março de 2018 às 07h30.

Rio - O chefe da Polícia Civil do Estado do Rio, Rivaldo Barbosa, disse nesta quinta-feira, 15, que o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) "atenta contra a democracia". Ele não quis confirmar a hipótese de execução alegando sigilo nas investigações, mas afirmou que a polícia "não descarta nenhuma possibilidade". A Polícia Federal ofereceu ajuda nas investigações, mas o chefe da Polícia Civil disse que a instituição tem todas as condições de resolver o caso. A PGR abriu uma investigação para federalizar o caso.

Barbosa recebeu em seu gabinete o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e os delegados Fábio Cardoso, que está assumindo a direção das Delegacias de Homicídio, e Gineton Lages, que agora é titular da Delegacia de Homicídios da Capital.

"É um caso extremamente grave, que atenta contra a dignidade da pessoa humana e que atenta contra a democracia", disse Barbosa. "Nós temos nossos protocolos estabelecidos. Quem quiser nos ajudar, receberemos a ajuda, de qualquer instituição. Entretanto, quero dizer que a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro tem capacidade para resolver esse caso."

Morte inaceitável

Marcelo Freixo disse que a morte de Marielle, que defendia o direito de minorias, "não é aceitável em lugar nenhum do mundo". "O caso da Marielle é de um atentado à democracia. É bom deixar claro isso. Não significa que a vida da Marielle valesse mais do que a vida de qualquer pessoa, não é nada disso. Quem matou a Marielle matou a possibilidade de uma mulher negra, que nasceu na favela da Maré, que era feminista, de estar na política. E isso não é aceitável em lugar nenhum do mundo", sustentou.

Freixo também criticou quem diz que os defensores dos direitos humanos defendem bandidos ou atacam a polícia. "É importante que se diga isso: o trabalho da Comissão de Direitos Humanos não é um trabalho contra a polícia", afirmou. "Denunciar policiais que cometem crimes não é um trabalho contra a polícia."

Freixo voltou a afirmar que Marielle Franco não vinha sofrendo ameaças. Ele disse ainda que as denúncias que ela vinha fazendo sobre abusos de policiais militares não tinha nenhum nome específico. E repetiu: "A gente não pode achar que polícia se mistura com o crime, e nem que direitos humanos defende bandido. Ninguém ganha com isso".

*Atualizado às 16h11 para um título mais preciso. 

Acompanhe tudo sobre:AssassinatosMarielle FrancoMortesPolícia CivilPolícia FederalRio de JaneiroVereadores

Mais de Brasil

Convenções em SP começam neste sábado com indefinições

Artefatos indígenas retidos na França retornam ao Brasil

Convenções começam neste sábado com oficialização de candidaturas de Boulos, Paes e Fuad

Convenção para oficializar chapa Boulos-Marta em SP terá Lula e 7 ministros do governo

Mais na Exame