Brasil

PF prende mais um suspeito de envolvimento nos assassinatos de Bruno e Dom

Bruno e Dom desapareceram no dia 5 de junho de 2022, durante uma viagem na Amazônia

Bruno e Dom: A perícia concluiu que eles foram mortos a tiros, esquartejados, queimados e enterrados na região do Vale do Javari (Agência O Globo/Reprodução)

Bruno e Dom: A perícia concluiu que eles foram mortos a tiros, esquartejados, queimados e enterrados na região do Vale do Javari (Agência O Globo/Reprodução)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 19 de janeiro de 2024 às 06h29.

Foi preso nesta quinta-feira, 18, o comparsa de Rubem Dario da Silva Villar, o Colômbia, apontado como mandante dos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips. A informação é da Polícia Federal (PF). O mandado foi expedido pela 1.ª Vara Criminal de Tabatinga.

Bruno e Dom desapareceram no dia 5 de junho de 2022, durante uma viagem na Amazônia. Os restos mortais só foram encontrados dez dias depois. A perícia concluiu que eles foram mortos a tiros, esquartejados, queimados e enterrados na região do Vale do Javari.

Três pescadores foram presos na investigação. Amarildo da Costa Oliveira, o Pelado, que confessou o crime e indicou o local onde os corpos foram enterrados; o irmão dele, Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos; e Jeferson da Silva Lima, o Pelado da Dinha. Todos teriam participado diretamente do crime.

Além dos três acusados, no fim de janeiro de 2023, a Polícia Federal apontou Colômbia como o mandante dos assassinatos. Ele está preso e é investigado por pesca ilegal, contrabando e tráfico de drogas.

 

Acompanhe tudo sobre:MortesAssassinatos

Mais de Brasil

Lula, 'BolsoNunes' e 'paz e amor': convenção dá tom de como será a campanha de Boulos em SP

Sob gestão Lula, assassinatos contra indígenas no Brasil aumentam 15% em 2023, aponta relatório

PRTB marca data de convenção para anunciar candidatura de Marçal no mesmo dia do evento de Nunes

Moraes defende entraves para recursos a tribunais superiores e uso de IA para resolver conflitos

Mais na Exame