Brasil

PF prende 2 em SP por suspeita de ligação com Hezbollah para atacar comunidade judaica no País

Um dos alvos foi preso do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, e operações de busca e apreensão ocorreram em outros estados

Sede da Polícia Federal, em Brasília (DF) (Evaristo Sa/Getty Images)

Sede da Polícia Federal, em Brasília (DF) (Evaristo Sa/Getty Images)

Publicado em 8 de novembro de 2023 às 17h35.

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira, 8, uma operação para "interromper atos preparatórios de terrorismo e apurar um possível recrutamento de brasileiros para a prática de atos extremistas" no Brasil.

Batizada Trapiche, a ofensiva prendeu temporariamente dois investigados, apontados como "recrutados" pelo grupo Hezbollah. O grupo sob suspeita planejava ataques contra prédios da comunidade judaica no Brasil.

Um dos alvos foi preso do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. Agentes da PF ainda fizeram buscas em onze endereços em Minas Gerais (7), Distrito Federal (3) e São Paulo (1). As ordens foram expedidas pela Justiça Federal de Belo Horizonte.

De acordo com a PF, os recrutadores e os recrutados devem responder pelos crimes de constituir ou integrar organização terroristas e de realizar atos preparatórios de terrorismo. As penas para tais delitos, somadas, pode chegar a 15 anos de reclusão.

Os crimes previstos na Lei de Terrorismo são equiparados a hediondos, considerados inafiançáveis, insuscetíveis de graça, anistia ou indulto, e o cumprimento da pena para esses crimes se dá inicialmente em regime fechado, independentemente de trânsito em julgado da condenação.

Acompanhe tudo sobre:Polícia FederalHezbollah

Mais de Brasil

PF apreende 12 milhões de maços de cigarros em São Paulo em maior operação na história

Auxílio Reconstrução no RS: governo prorroga prazo para prefeituras cadastrarem novas famílias

Eleições municipais: 101 deputados e 2 senadores são pré-candidatos a prefeito; veja lista

AGU pede que governo de Minas Gerais volte a pagar dívida de R$ 160 bilhões com a União

Mais na Exame