Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Pesquisador diz ter localizado mancha que explica origem de óleo em praias

Medidas da mancha citadas no estudo compreendem uma área com tamanho semelhante à da cidade de Fortaleza; Marinha negou relação

Rio de Janeiro — As manchas de petróleo que atingem o litoral do Nordeste brasileiro desde setembro podem ter origem em um grande vazamento abaixo da superfície do mar, afirmou um pesquisador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), vinculado à Universidade Federal de Alagoas (Ufal), após três semanas de processamento de dados.

O pesquisador Humberto Barbosa, do Lapis, identificou um "enorme vazamento de óleo, em formato de meia lua, com 55 quilômetros de extensão e seis quilômetros de largura, a uma distância de 54 quilômetros da costa do Nordeste", localizado no sul da Bahia, de acordo com comunicado publicado nesta quarta-feira no site da instituição.

As medidas da mancha citadas no estudo compreendem uma área com tamanho semelhante à da cidade de Fortaleza.

Segundo o Lapis, foi identificado um padrão característico de manchas de óleo no oceano que pode explicar a origem da poluição que atingiu o litoral do Nordeste, com base em imagens do satélite Sentinel-1A, da Agência Espacial Europeia (ESA). O laboratório disponibilizou reproduções das imagens em sua página na internet.

"Ontem tivemos um grande impacto, pois pela primeira vez, encontramos um assinatura espacial diferenciada. Ela mostra que a origem do vazamento pode estar ocorrendo abaixo da superfície do mar. Com isso, levantamos a hipótese de que a poluição pode ter sido causada por um grande vazamento em minas de petróleo ou, pela sua localização, pode ter ocorrido até mesmo na região do Pré-Sal", disse Barbosa no comunicado do laboratório.

A Marinha disse que a mancha que estaria avançando pelo mar da Bahia não é de óleo, segundo informação do site de notícias G1. A Reuters procurou um representante da Marinha, mas não foi possível falar imediatamente.

As manchas de óleo foram identificadas inicialmente no início de setembro, e já atingiram praias ao longo de mais de 2.000 quilômetros desde então.

De acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e a Petrobras, o óleo encontrado nas praias brasileiras é venezuelano, e o governo investiga se navios que passaram pelo litoral brasileiro seriam responsáveis pelo incidente.

"É como a montagem de um quebra-cabeça, com peças muito dispersas, que são as manchas muito espalhadas pelas correntezas no Litoral do Nordeste do Brasil, principalmente nas faixas costeiras. De repente, você encontra uma peça-chave, mais lógica, foi o que ocorreu ontem ao encontrar essa imagem. Foi a primeira vez que observamos, para esse caso, uma imagem de satélite que detectou uma faixa da mancha de óleo original, ainda não fragmentada e ainda não carregada pelas correntezas", disse Barbosa.

Marinha

A causa mais provável das manchas de óleo que têm atingido o litoral do Nordeste brasileiro é um derrame provocado por alguma embarcação que navegava pela costa do país, e não há indicação de vazamento no fundo do oceano, afirmou o comandante da Marinha, Ilques Barbosa Junior.

Segundo o comandante, uma "exsudação de petróleo no fundo do mar é incompatível pelas bacias que temos na nossa área".

"De imediato, nós tivemos a confirmação de que o óleo não era brasileiro. Isso confirmou: não há exsudação de fundo de oceano, não há problema de plataforma ou terminais nossos ou dos nossos navios", acrescentou o comandante em entrevista à Globonews.

O comandante acrescentou que atualmente as investigações se concentram em dez navios suspeitos de terem provocado o derramamento.

"O que nós consideramos como mais provável é um derrame, acidental ou não, de um navio mercante que esteja em trânsito em nossas costas", afirmou.

"A Polícia Federal, em conjunto com a Marinha do Brasil está atuando firmemente, e nós temos certeza absoluta e convicção de que chegaremos a uma indicação correta do causador dessa tragédia", acrescentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também